São Paulo Justiça mantém condenação de empresário por agredir Luiza Brunet

Justiça mantém condenação de empresário por agredir Luiza Brunet

Atriz afirmou que "finalmente se fez Justiça". Ela disse ainda que foi "julgada e desacreditada" e que este é um momento de vitória para as mulheres

"Sempre acreditei na Justiça", disse a atriz após a Justiça manter a condenação

"Sempre acreditei na Justiça", disse a atriz após a Justiça manter a condenação

Reprodução Facebook

O empresário Lírio Parisotto foi condenado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, em segunda instância, nesta quinta-feira (14), a um ano de prestação de serviços comunitários por agressão a ex-companheira, a atriz Luiza Brunet, de 51 anos.

A informação foi confirmada pelo advogado da atriz. O TJ-SP afirmou que o caso está em segredo de justiça, mas que só é possível confirmar com o número do processo. A reportagem entrou em contato com o advogado de Parisotto mas não obteve retorno até a publicação da matéria. 

Pelas redes sociais, Luiza Brunet afirmou que "sempre acreditou na Justiça". "A condenação de hoje em segunda instância, por unanimidade, veio em um momento representativo. Recebi a notícia de hoje dentro da secretaria de Justiça do Estado de São Paulo", disse. 

Leia mais: Violência doméstica expõe filhos de vítimas a fogo, surra e abuso sexual

"Estava em reunião com o secretário de Justiça Paulo Dimas, discutindo a nova campanha do Estado de prevenção e combate à violência doméstica, da qual participarei para ajudar muitas mulheres que são vítimas da violência. Estar em uma casa da Justiça no momento em que a decisão saiu foi muito simbólico para mim."

A atriz disse ainda que a resposta da Justiça confirmava suas denúncias e de outras mulheres violentadas que haviam sido obrigadas a se calar. "Fui julgada e desacreditada. Mas, finalmente se fez Justiça. Esse é um momento de vitória para as mulheres. Me sinto motivada em me envolver cada vez mais em campanhas que dão voz para, nós, mulheres.