São Paulo Logística e sofisticação fazem polícia de Botucatu atribuir ataque a PCC

Logística e sofisticação fazem polícia de Botucatu atribuir ataque a PCC

Em ação organizada, grupo atacou uma base da Polícia Militar para impedira acesso do reforço policial de outros municípios à região durante assalto

  • São Paulo | Fabíola Perez, do R7

Membros do PCC podem ter participado de ataque planejado contra bancos

Membros do PCC podem ter participado de ataque planejado contra bancos

Reprodução

A sofisticação, organização e o planejamento dos ataques às agências bancárias de Botucatu, na madrugada desta quinta-feira (30), levam a Polícia Civil da cidade a atribuir a ação a integrantes da organização criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital).

Veja mais: Fogo, bloqueios e ataques: assalto a banco choca moradores de Botucatu

"Os ataques foram realizados por um grupo extremamente organizado e preparado em temos de logística e sofisticação. Foi uma ação planejada, arquitetada com uma ótima logística, o que nos leva a presumir que tenha sido organizado pelo PCC", informou um policial.

Uma das hipóteses para os ataques seria de uma possível retaliação pela incineração de cerca de 600 quilos de drogas coordenada pela Delegacia Seccional de Polícia de Botucatu na quarta-feira (29).

A Polícia Civil investiga os ataques que assustaram os moradores da cidade durante a madrugada. Segundo uma fonte local, um suspeito morreu durante a ação. "Ele será identificado para saber se realemente pertencia ao PCC. Estamos fazendo vários levantamentos. Além disso, temos a informação de que existem suspeitos em vários pontos da cidade."

Os ataques

Um grupo de homens fortemente armados comandaram ataques a agências bancárias no município de Botucatu, no interior de São Paulo, durante a madrugada desta quinta-feira (30).

De acordo com informações iniciais, o grupo atacou inicialmente o Batalhão de Polícia Militar do município para dificultar a saída dos policiais. Ao mesmo tempo, outros integrantes do mesmo grupo fecharam estradas que dão acesso a cidades vizinhas. A estratégia teria sido utilizada para dificultar o apoio das forças policiais.

Com os obstáculos, o grupo atacou, ao menos, cinco agências bancárias localizadas no centro da cidade. Moradores da cidade relataram ter ouvido barulhos de tiros.

Funcionários e clientes de uma farmácia foram feitos de refém durante os ataques. Imagens de câmeras de segurança mostram homens rendendo as vítimas nos locais. 

A Rodovia Marechal Rondon, uma das principais que cortam a cidade, foi atravessada com um caminhão em chamas para dificultar acesso.

Policiais militares das cidades vizinhas, como Bauru, Avaré e Piracicaba foram chamasos para dar apoio à ocorrência. A Polícia de São Paulo também foi comunicada e corporações como as Rota (Rondas Ostensivas Tobias Aguiar) chegaram ao município.

A Polícia Rodoviária Estadual também presta apoio para tentar cessar os ataques e controlar a situação. Além das equipes de terra, os Grupamentos Aéreos da Polícia Militar de São Paulo e de Bauru foram comunicados e estão avisados sobre a situação. Os helicópteros ainda não foram acionados por causa das condições do clima.

Veja vídeos que mostram detalhes dos ataques:

Últimas