Lotação de UTIs na capital paulista supera 80%, diz Covas

Segundo o prefeito, a ocupação dos leitos de unidades de terapia intensiva já passa de 80% e, em metade dos hospitais, a lotação é de quase 100%

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, durante coletiva

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, durante coletiva

FRANCISCO CEPEDA/ESTADÃO CONTEÚDO

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), afirmou nesta sexta-feira (8) que, com a aceleração da propagação do novo coronavírus, a ocupação dos leitos de unidades de terapia intensiva (UTIs) da cidade já passa de 80% e, em metade dos hospitais, a lotação das UTIs é de quase 100%.

Em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado de São Paulo, Covas justificou a decretação do rodízio impedindo diariamente a circulação de metade da frota de automóveis na capital com a queda da taxa de isolamento social da população à casa dos 47%. Nos últimos dias, explicou, observou-se o maior índice de congestionamento no trânsito desde o início das medidas restritivas para enfrentar a pandemia.

"Estamos ampliando em mil ônibus a frota municipal e em 600 os bolsões de reserva, mas esperamos não precisar de nenhum deles", anunciou o prefeito.

Covas disse que recebeu ameaças de morte após ter decretado o rodízio mais rigoroso de carros, mas garantiu que não vai retroceder "nem um milímetro". Segundo o prefeito, 30 mil pessoas deixaram de morrer na cidade de São Paulo por causa do isolamento social.

As medidas de restrição de circulação, explicou o prefeito paulistano, só poderão ser afrouxadas quando a taxa de isolamento social ficar de forma sustentada em 60%.