São Paulo Mães relatam drama dos filhos com enchentes na zona leste de SP

Mães relatam drama dos filhos com enchentes na zona leste de SP

“Preciso levar minha filha ao médico”, conta Ederci Pereira sobre Janaína, 20, que possui deficiência mental; sem documentos, ela não poderá ser atendida

  • São Paulo | Guilherme Padin, do R7

'Ela vai ser operada. Preciso de ajuda para ir à minha casa', diz Dona Ederci

'Ela vai ser operada. Preciso de ajuda para ir à minha casa', diz Dona Ederci

Edu Garcia/R7

“Preciso levar minha filha ao médico. Mas, se ninguém me ajudar a pegar os documentos e exames dela no meu barraco, eu não vou conseguir”. A frase de Ederci Pereira dos Reis, 57, retrata o drama vivido por muitas pessoas nas periferias de São Paulo com as enchentes.

A reportagem do R7 esteve no Itaim Paulista, zona leste da capital paulista, para ouvir os relatos de moradores locais sobre os problemas causados pelas fortes chuvas na região.

Janaína Pereira de Jesus, filha de Dona Ederci, possui deficiência mental.

Com enchentes, acesso à casa de Ederci é difícil

Com enchentes, acesso à casa de Ederci é difícil

Edu Garcia/R7

“A Janaína vai ser operada nesse mês. Estou procurando por ajuda para pegar o que preciso no barraco, mas o bombeiro e a prefeitura não vieram até agora. Sem os documentos e os exames, ela não é operada”, diz, emocionada, a dona de casa.

As autoridades não fazem nada. Só vêm aqui, olham e vão embora

Cláudia Aparecida Ferraz

Após o alagamento, a casa ficou ilhada e, agora, a mãe não consegue acessar o local. Emocionada, ela afirma: “Meu barraco está no meio da lagoa. Se chover um pouco mais, vou perder todas as minhas coisas. Pela previsão, é capaz que encha meu barraco [de água] e eu perca mesmo.”

Revoltada, Cláudia não tem como levar seus filhos à escola

Revoltada, Cláudia não tem como levar seus filhos à escola

Guilherme Padin/R7

“Meus filhos estão sem estudar”

A situação do lar de Ederci se parece com a de Cláudia Aparecida Ferraz, também dona de casa. “Se a chuva continuar como nos últimos dias, a água vai entrar em casa”, diz ela. 

Veja também: Chuva piora alagamentos no Itaim Paulista

A vida dos filhos de Cláudia têm sido prejudicada por conta das chuvas e, consequentemente, dos alagamentos.

“Tenho seis filhos. Quatro estão estudando e não puderam ir à escola desde que as aulas voltaram”, relata ela, que questiona: “Como é que eles vão aprender?”

Confira: Homem morre esmagado por árvore em carro após chuva em Guarulhos

Indignada com os problemas recorrentes no bairro, Cláudia clama por ajuda: “Isso acontece direto por aqui. As autoridades não fazem nada. Só vêm aqui, olham e vão embora. Eles têm que tomar vergonha na cara e desentupir o esgoto, baixar essa água.”

Outro lado

Em nota, o Governo do Estado de São Paulo afirma que está investindo R$ 117 milhões na construção do pôlder da Vila Itaim para minimizar o impacto das chuvas na região.

A obra, segundo o comunicado, é prioridade da atual gestão e tem previsão de entrega no final deste ano. As desapropriações de 145 imóveis começaram em dezembro 2017 e parte foi judicializada, o que atrasou as remoções. Até o momento, 55% dos trabalhos foram concluídos. Seis bombas móveis cedidas pelo DAEE estão no local auxiliando os trabalhos de drenagem.

O Governo afirma ainda que o DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica) tem atuado em parceria com a Subprefeitura de São Miguel Paulista da Prefeitura Municipal de São Paulo, com execução de limpeza nas bocas-de-lobo, nas redes de drenagem e no estabelecimento de plano de contingência.

Leia mais: Muro desaba na Vila Matilde e deixa quatro casas expostas

A Prefeitura de São Paulo, em nota, afirma que a Subprefeitura São Miguel realiza constantemente ações de manutenção e zeladoria na Vila Itaim. As equipes, segundo o comunicado, trabalham diariamente com dois caminhões sugadores, além de seis bombas disponibilizadas pelo Departamento de Água e Energia (DAEE), devido ao alagamento.

A Prefeitura ainda diz que, em média, são recolhidas cerca de 5 toneladas de resíduos por semana durante o período da chuva, com os trabalhos começando às 7h e terminando às 18h.

A nota ressalta que a Defesa Civil do Munícipio de São Paulo realiza o monitoramento das ações na região e auxilia no transporte diário das crianças para as creches.

De acordo com o comunicado, desde o início deste ano a Vila Itaim recebe reforço de limpeza e varrição.

Veja os reflexos das enchentes na periferia da zona leste de São Paulo

Últimas