Maior traficante de animais silvestres do país é preso em SP

Homem fazia vídeos promocionais oferecendo animais para venda, onde defendia a prática: "apenas ganhamos dinheiro com os animais"

Homem também tinha aves capturadas para a venda posterior

Homem também tinha aves capturadas para a venda posterior

Divulgação

O homem que, segundo a polícia, é o maior traficante de animais silvestres do país, foi preso na rua Copacabana, no bairro Chora Menino, na região de Santana, zona norte de São Paulo, na noite de quarta-feira (13). 

Leia mais: Polícia prende traficante de animais silvestres na zona norte de SP

O homem, conhecido como "Zé do Bode", tinha combinado de fazer a venda de um macaco. Os policiais ficaram de campana no endereço e, ao descer do veículo em que estava, foi preso. Com ele estavam duas caixas de transporte, com dois macacos-prego, uma espécie em extinção.

Duas mulheres estavam no carro com ele e também foram detidas. Uma delas, esposa do criminoso, tentou fugir no momento da abordagem, mas foi presa em seguida.

No carro, foi encontrado um terceiro macaco-prego no banco de trás e mais oito caixas de transporte de animais. Também foram apreendidos cheques e máquinas de cartão no nome de uma das mulheres.

O trio traficava répteis, aves e macacos. Os animais eram trazidos de Goiânia e de estados do nordeste para São Paulo.

Em vídeos, o homem divulgava um dos macacos que vendia, como se a prática fosse legal. Com o animal no ombro e preso na coleira, ele mostrava que o bicho era dócil. O animal estava sendo vendido por seis mil reais.

No vídeo, o criminoso ainda diz: "Nós não exploramos a natureza, apenas ganhamos dinheiro com os animais". Um segundo vídeo mostra diversas aves, dentro de caixas de plástico, que foram vendidas.

O homem já era conhecido no ramo e investigado pela polícia, mas sempre mudava de telefone e endereço, o que dificultava sua localização. Os animais foram resgatados e levados para o Instituto Bruninho Prego, uma instituição que combate o tráfico de animais silvestres em São José dos Campos.

O caso foi registrado como associação criminosa e venda de animal silvestre sem autorização no 13º DP.