São Paulo 'Maioria do comércio é favorável à abertura da Paulista', diz secretário

'Maioria do comércio é favorável à abertura da Paulista', diz secretário

Estudos da CET mostraram que é possível abrir via para pedestres e ciclistas todos os domingos

'Maioria do comércio é favorável à abertura da Paulista', diz secretário

Avenida Paulista foi fechada no dia 23 para inauguração de ciclovia

Avenida Paulista foi fechada no dia 23 para inauguração de ciclovia

Eduardo Enomoto - R7

Uma semana após o último teste de fechamento da avenida Paulista para veículos antes da decisão final da Prefeitura de São Paulo, o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, disse que a gestão do prefeito Fernando Haddad (PT) dialogou com comerciantes da região e que a "ampla maioria" aprova a medida. A Paulista foi fechada no domingo, dia 23, durante a inauguração da ciclovia na avenida Bernardino de Campos. Segundo Tatto, os estudos técnicos da CET (Companhia de Engenharia do Tráfego) mostraram que é possível abrir a via para pedestres e ciclistas todos os domingos.

— Fizemos conversas com praticamente todo o comércio e as atividades existentes que funcionam no domingo. A ampla maioria é favorável e não vê problema nenhum em a Paulista ser aberta para os pedestres.

De acordo com o secretário, a área de alimentos, especificamente, teria aumentado o número de vendas com a abertura da Paulista para pedestres e ciclistas.

— Aumentou a circulação, o que é natural. As pessoas de carro circulam, passam por lá e não param. Quem está a pé para e acaba consumindo naquela região.

Um dos principais argumentos da Associação Paulista Viva, contrária ao fechamento, é de que a medida traria impactos econômicos aos comerciantes da região da avenida Paulista. A entidade cobrou uma avaliação da Prefeitura sobre os possíveis prejuízos ao comércio.

Para os motoristas, o impacto "não é tão grande" porque, ao perceber a Paulista bloqueada, o motorista vai buscar alternativas ou evitar a região, explicou Tatto. A Prefeitura fez "canalizações" para ajudar na circulação de veículos no entorno do Hospital Santa Catarina, do Clube Homes e do Hotel Meliá.

— Mesmo do ponto de vista do estacionamento, o próprio Conjunto Nacional tem uma canalização para o funcionamento do estacionamento.

A conclusão do estudo da CET é semelhante ao que foi percebido no primeiro teste de fechamento da Paulista, durante a inauguração da ciclovia, em 28 de junho. O secretário voltou a afirmar nesta segunda-feira (31), o que havia dito na ocasião.

— Do ponto de vista técnico, não há nenhuma dificuldade. A expectativa é de que a Paulista possa ser aberta todos os domingos. De preferência, quando fizer sol. Não sei se domingo que vem vai fazer sol. Se fizer sol, quem sabe (abrimos a Paulista) domingo que vem.

Leia mais notícias sobre R7 São Paulo

Experimente grátis: todos os programas da Record na íntegra no R7 Play

Ministério Público

Nesta semana, a Prefeitura de São Paulo vai se reunir com promotores do MPE (Ministério Público Estadual) e a expectativa é de que haja "bom senso" da instituição, disse Tatto. Embora o MPE tenha se posicionado contrário ao fechamento da via para carros no dia 23, a Prefeitura de São Paulo bloqueou assim mesmo a Paulista para o segundo e último teste.

O argumento da Promotoria de Habitação e Urbanismo é de que a Paulista só pode ser fechada três vezes por ano, segundo TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) assinado com a Prefeitura em 2007. Caso o termo não seja cumprido, a administração municipal deverá pagar multa de R$ 30 mil.

Como em 2015 já houve a Parada Gay, além dos dois testes da Prefeitura, o MPE afirma que a Paulista não poderia mais ser bloqueada, o que impossibilita, por exemplo, a Corrida de São Silvestre e o Show da Virada, ambos no dia 31 de dezembro. A gestão Haddad, no entanto, considera que a abertura para pedestres e ciclistas aos domingos faz parte de uma política pública de ocupação do espaço, enquanto a Parada Gay, a São Silvestre e o Show da Virada são considerados eventos.

Em ocasiões anteriores, Haddad chegou a afirmar que fecharia a avenida Paulista todos os domingos. Em seguida, passou a considerar a interrupção do tráfego de veículos domingo sim, domingo não. Por fim, admitiu que uma terceira hipótese está em análise: a de bloquear a via uma vez por mês, como já foi feito no passado.