Mais de 600 estabelecimentos são interditados na quarentena em SP

Região da Sé lidera no número de interdições com 159. Comércios que descumprirem medidas de isolamento estão sujeitos à interdição imediata

Estabelecimentos estão sujeitos à interdição imediata

Estabelecimentos estão sujeitos à interdição imediata

Anderson Lira / Estadão Conteúdo

Ao menos 627 estabelecimentos de serviços não essenciais já foram interditados por descumprirem o decreto de municipal 59.298, de 23 de março, que prevê o atendimento não presencial como medida para a diminuição no número de casos da covid-19 no estado. Dados foram contabilizados até o último domingo (28).

Os comércios que não tiverem as suas licenças cassadas serão reabertos somente após o término da quarentena.

Leia também: Estado de São Paulo registra 14,3 mil mortes por novo coronavírus

A região da Sé, no centro da cidade, lidera no número de interdições, com 159 estabelecimentos fechados. Ela é seguida por Freguesia do Ó/Brasilândia (78), Mooca (45), Aricanduva/Vila Formosa/Carrão (42), Cidade Ademar (42), Santo Amaro (30), Guaianases (27), Lapa (29), Vila Prudente (25), Perus/Anhanguera (17), Casa Verde/Cachoeirinha (16), São Miguel Paulista (16), Sapopemba (16) e Itaquera (12).

Completam a lista Pirituba/Jaraguá (11), M’Boi Mirim (10), São Mateus (9), Penha (6), Jaçanã/Tremembé (5), Campo Limpo (5), Butantã (5), Ipiranga (4), Santana/Tucuruvi (3), Itaim Paulista (3), Ermelino Matarazzo (3), Capela do Socorro (3), Vila Maria/Vila Guilherme (2), Cidade Tiradentes (1), Vila Mariana (1), Pinheiros (1) e Parelheiros (1).

Os estabelecimentos que descumprirem as medidas de isolamento social estão sujeitos à interdição imediata e eventual cassação do alvará de funcionamento ou autorização temporária.