São Paulo Médico é afastado após não usar máscara em unidade de saúde de SP

Médico é afastado após não usar máscara em unidade de saúde de SP

Profissional foi substituído e será encaminhado para uma Comissão de Ética pelo não cumprimento dos protocolos de segurança durante a pandemia

  • São Paulo | Do R7

Flagrado sem máscara, médico é substituído em unidade de São Bernardo

Flagrado sem máscara, médico é substituído em unidade de São Bernardo

Reprodução Record TV

Um médico foi flagrado na terça-feira (1º) sem máscara de proteção contra o novo coronavírus em uma unidade de saúde de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, em São Paulo. As pessoas viram o profissional sem o equipamento de saúde e começaram a discutir. 

Leia também: TJ-SP quebra sigilo telefônico de PMs envolvidos em ação no Baile da Dz7

O caso ocorreu na Unidade Básica de Saúde localizada na rua Pedro de Tolêdo, número 326, no bairro Paulicéia, em São Bernardo do Campo.

Pacientes esperavam para ser atendidos quando notaram que o médico não usava a máscara. Questionado, ele afirmou que fez o teste para detectar o coronavírus, que teria dado negativo e que teria tomado uma vacina. No entanto, a vacina para a covid-19 ainda está em desenvolvimento em todo o mundo. 

Leia mais: Governo de SP adota protocolo de abordagem entre policiais

De acordo com a Record TV, o médico foi substituído e será encaminhado para uma Comissão de Ética pelo não cumprimento dos protocolos de segurança durante a pandemia.

A prefeitura informou que não concorda com a conduta do médico. A administração municipal afirmou ainda que ele foi contratado por uma empresa terceirizada, responsável pelos funcionários do Pronto Atendimento. O Conselho Regional de Medicina será notificado pelo ocorrido.

Veja ainda: 'Não tinha recurso para a grade', diz mãe de criança que caiu de prédio

Por meio de nota, a secretaria de Saúde informou que o funcionário foi contratado por empresa terceirizada, responsável pelo quadro de funcionário do Pronto-Atendimento (PA) Taboão. A pedido da Administração, o médico foi substituído. Não houve a necessidade de acionamento da Guarda Civil Municipal (GCM).

Últimas