São Paulo Menina foi morta por padrasto 20 dias após assassinato da mãe

Menina foi morta por padrasto 20 dias após assassinato da mãe

Vítimas eram dadas como desaparecidas desde novembro de 2020. Corpos foram encontrados enterrados no quintal de casa

Antes de morrer, esposa cavou a própria cova

Antes de morrer, esposa cavou a própria cova

Reprodução/Record TV

O suspeito de matar e enterrar a esposa e a enteada mais nova confessou na terça-feira (9), segundo a polícia, que asfixiou a criança de 9 anos, cerca de 20 dias após esfaquear a mãe dela. As duas vítimas estavam desaparecidas desde novembro de 2020. Os corpos foram encontrados enterrados no quintal da casa da família, em Pompéia, no interior de São Paulo.

Ainda de acordo com a polícia, o homem contou que a menina reclamava e questionava a ausência da mãe o tempo todo, e que isso teria motivado sua morte.

De acordo com a polícia de Mato Grosso do Sul, onde o suspeito foi encontrado e preso, ele admitiu que matou a criança a pedido da adolescente de 16 anos, filha e irmã das vítimas, com quem mantinha um relacionamento amoroso, e que foi apreendida. 

Após a repercussão do caso, o homem fugiu de São Paulo e conseguiu um emprego de ajudante de pedreiro em Campo Grande. Entretanto, um colega de função o reconheceu e acionou a polícia, que já suspeitava do paradeiro do homem.

O suspeito responderá por homicídio triplamente qualificado, por motivo torpe, e por não oferecer chances de defesa às vítimas, além de crime de corrupção de menores, tendo em vista que, segundo a polícia, ele mantinha relações com a adolescente há mais de um ano.

Últimas