Mesmo com lojas abertas, comércio de SP tem queda de 69% nas vendas

Levantamento da Associação Comercial de SP indica que consumidor perdeu renda na pandemia e nem Dia dos Namorados recuperou vendas em junho

Em junho, comércio de SP tem queda de 69% nas vendas apesar de reabertura

Em junho, comércio de SP tem queda de 69% nas vendas apesar de reabertura

Anderson Lira / Estadão Conteúdo / 13.06.20202

Nem mesmo o frio, o Dia dos Namorados e a reabertura do comércio em São Paulo foram suficientes para recuperar os números de vendas na primeira quinzena de junho, de acordo com dados da Associação Comercial de São Paulo. Segundo o levantamento, houve uma queda média de 69% nas vendas na comparação com o mesmo período de 2019.

Leia mais: Próximo desafio da retomada em São Paulo é reabrir restaurantes

De acordo com a associação, o movimento de vendas a prazo caiu 56,5% em relação ao ano passado, enquanto as vendas à vista recuaram 81,4%. Já na comparação com a primeira quinzena de maio, houve aumento de 16,3% nas vendas à vista e de 9,4% a prazo.

“O consumidor empobreceu. Profissionais liberais, empregados CLT e informais perderam renda e estão consumindo suas reservas ou se endividando. Com a reabertura ou não do comércio, levará tempo até o consumidor recompor seu orçamento”, afirmou o economista da associação comercial, Marcel Solimeo. 

Desde a quarta-feira (10), o comércio de rua na capital paulista funciona parcialmente entre 11h e 15h. Segundo Solimeo, embora o levantamento da entidade considere o movimento do comércio em cinco dias de reabertura, a queda no consumo ainda é muito grande, apesar da redução das restrições.

O Dia dos Namorados (12) não se converteu em vendas e o mesmo se repetiu no fim de semana, quando os comerciantes esperavam ver mais consumidores, segundo a instituição.

Veja também: Na reabertura, shoppings de São Paulo têm baixa procura

De acordo com Solimeo, não é possível traçar nenhuma expectativa de como o varejo irá se comportar porque não há nenhuma tendência definida: “A reação será gradual e tudo tem um começo. A reabertura já é um marco, mas até o último trimestre do ano deveremos ter um ritmo fraco”.