São Paulo Metalúrgica é suspeita de descarte irregular de ácido que feriu 5 em SP

Metalúrgica é suspeita de descarte irregular de ácido que feriu 5 em SP

Polícia cumpriu mandado de busca e apreensão na empresa nesta segunda-feira (17). Entre as vítimas, está uma criança de 2 anos

  • São Paulo | Mariana Rosetti e Isabelle Gandolphi, da Agência Record

Bebê é uma das vítimas atingidas por ácido em Diadema (SP)

Bebê é uma das vítimas atingidas por ácido em Diadema (SP)

Reprodução

Um mandado de busca e apreensão foi cumprido pela Polícia Civil na manhã desta segunda-feira (17) na metalúrgica suspeita de responsabilidade pelo vazamento de ácido sulfúrico que feriu cinco pessoas em Diadema, na Grande São Paulo, no dia 7 de abril. 

Segundo a investigação da Polícia Civil, o responsável pela empresa descartou de forma irregular o ácido para burlar a fiscalização da Cetesb. 

Agentes da DICMA (Delegacia do Meio Ambiente em Diadema), da perícia e Cetesb estiveram na empresa, localizada, em São Bernardo do Campo, também na Grande São Paulo. De acordo com a Record TV, o próprio dono da empresa abriu a porta aos policiais e recebeu o mandado judicial.

No local, os policiais buscaram documentos e provas que apontassem irregularidades no manejo de produtos perigosos. Depois de contratar o serviço de um ecoponto em Diadema, os funcionários do local despejaram o líquido por um ralo e o produto tóxico foi parar no meio da rua. Em abril, houve um incidente e o ácido vazou, formando poças na via.

Conforme os carros passavam, o líquido respingava nos pedestres. Cinco pessoas ficaram feridas, inclusive uma criança de dois anos. O caso mais grave foi o de uma adolescente de 15 anos, internada com queimaduras no rosto.

Após a apreensão dos documentos, a polícia ficará mais perto de concluir a investigação e responsabilizar os envolvidos no descarte irregular do produto. 

Últimas