São Paulo Ministério da Saúde não autoriza o adiamento da 2ª dose da CoronaVac

Ministério da Saúde não autoriza o adiamento da 2ª dose da CoronaVac

Governo de SP havia pedido autorização ao órgão para utilizar todas as vacinas disponíveis na primeira dose 

  • São Paulo | Letícia Dauer, da Agência Record

Resumindo a Notícia

  • SP pede autorização para usar todos os imunizantes disponíveis para a 1ª dose
  • Ministério da Saúde não autoriza uso de todas as vacinas para 1ª aplicação
  • Pasta diz que não há indicação de que maior intervalo ofereça proteção à população
  • Centro de Contingência de SP se diz favorável a ampliação de intervalo
Profissionais da saúde recebem doses da CoronaVac em São Paulo

Profissionais da saúde recebem doses da CoronaVac em São Paulo

Amanda Perobelli/Reuters - 18.01.2021

O Ministério da Saúde não autorizou o adiamento da aplicação da segunda dose da vacina Coronavac, como foi solicitado pelo governo do estado de São Paulo, nesta quinta-feira (28), por meio de um ofício enviado à pasta. A pasta informou, por meio de nota, que "não há evidências científicas de que a ampliação desse intervalo irá oferecer a proteção necessária à população."

Atualmente, a diretriz do Programa Nacional de Imunização (PNI) recomenda que a Coronavac, imunizante produzido pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, seja aplicada em intervalo de 14 a 28 dias.

Nesta quarta-feira (27), o governo de São Paulo enviou uma manifestação ao governo federal pedindo a postergação da aplicação da segunda dose com o objetivo de vacinar um número maior de pessoas.

O coordenador do Centro de Contingência de Covid-19, Paulo Menezes, afirmou que "do ponto de vista científico-biológico é possível pensar que a segunda dose dada em uma data posterior aos 28 dias seja até mais eficaz do que aos 28 dias", durante entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes ontem. Menezes ainda afirmou que "o Centro de Contingência neste momento é favorável a possibilidade de ter uma extensão do intervalo de tempo entre a primeira e a segunda dose".

Em nota, o Ministério da Saúde respondeu que "é importante ressaltar que as recomendações têm como base os estudos clínicos da fase 3 do imunizante, que indicam que o intervalo entre a primeira e a segunda dose deve ser de duas a quatro semanas. Não há, até o momento, evidências científicas de que a ampliação desse intervalo irá oferecer a proteção necessária à população".

Desde o início da campanha de vacinação contra a covid-19, o órgão afirmou que orienta gestores e profissionais de saúde dos estados e do Distrito Federal. "Foram enviados documentos técnicos com informações sobre os grupos prioritários, contraindicações da vacina, registro da aplicação, entre outras orientações técnicas relevantes. Cabe esclarecer que a estratégia de vacinação é realizada de forma tripartite, com a pactuação da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios."

"Por meio de ofício, encaminhado em 19 de janeiro, o Ministério alertou o Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (Conass) e Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems) que é imprescindível que todas as unidades de saúde da Federação cumpram as diretrizes para que o país tenha doses suficiente para imunizar, com as duas doses previstas, este primeiro ciclo da campanha de vacinação - e garanta, desta forma, uma imunização eficaz no país", declarou o órgão.

O Ministério da Saúde afirmou ainda que as recomendações têm como base os estudos clínicos da fase 3 do imunizante. Os resultados dessa fase indicam que o intervalo entre a primeira e a segunda dose deve ser de duas a quatro semanas.

Procurada pelo R7, a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo informa que não recebeu a informação do Ministério e que se mantém de acordo com as diretrizes do governo estadual. A Secretaria Municipal de Saúde ainda não se pronunciou sobre o caso. 

Últimas