Moradores da zona leste denunciam baile funk em quarentena em SP

Região é a que tem mais denúncias de eventos com aglomeração desde o início da pandemia do novo coronavírus. PM tenta dispersar a multidão 

Jovens sem máscaras em baile funk na zona leste de SP

Jovens sem máscaras em baile funk na zona leste de SP

Reprodução

Moradores da zona leste de São Paulo denunciam som alto em um baile funk durante toda a noite deste sábado (18) e madrugada deste domingo (19) com jovens aglomerados e sem máscaras em plena pandemia de covid-19.

Leia mais: GCM acaba com festa clandestina durante quarentena na Grande SP

Uma denunciante, que não quer se identificada, gravou diversos vídeos durante a noite que mostram jovens aglomerados, consumindo bebida alcoólica e ouvindo som alto na avenida Caititu, no bairro Cidade A. E. Carvalho.

Segundo a moradora, o baile é recorrente e sempre muito movimentado. Já a Polícia Militar informou que recebeu uma solicitação para perturbação de sossego e deslocou equipes até o local para dispersar a multidão.

Veja também: PM faz operação para impedir bailes funk na zona leste de SP

A zona leste de São Paulo é a região com mais denúncias de bailes funk desde o início da pandemia do novo coronavírus. A Agência Record recebeu dez queixas de perturbação de sossego em endereços na região.

Durante a madrugada do sábado (18), a Polícia Militar realizou uma operação denominada Paz e Proteção, onde apenas na Fazenda da Juta, 39 pessoas foram abordadas e 26 veículos foram vistoriados.

Festa clandestina

As Polícias Militar e Civil foram acionadas para encerrar uma festa clandestina que estaria acontecendo em um local chamado Sítio do Gilsão, também na zona leste de São Paulo.

Leia ainda: Moradores da zona leste denunciam baile funk e aglomeração em SP

De acordo com denunciante que não quis se identificar, o sítio está localizado na rua Hisaji Morita, no bairro da Fazenda do Carmo, e reúne muitos jovens apesar da quarentena.

Agentes do 28° Batalhão de Polícia Militar e do 53° DP do Parque do Carmo afirmaram que foram acionados para o local e as equipes estavam em deslocamento.

Veja mais: Prefeitura de Rio Preto (SP) proíbe venda de bebidas alcoólicas

No entanto, de acordo com a Polícia Civil, os agentes decidiram voltar porque o número de pessoas na festa era grande e não havia segurança para os policiais.