Coronavírus

São Paulo Moradores de Serrana (SP) recebem as primeiras doses da CoronaVac

Moradores de Serrana (SP) recebem as primeiras doses da CoronaVac

Cidade do interior faz parte do projeto S, que pretende imunizar toda a população, em um teste em massa da eficácia da vacina

  • São Paulo | Do R7

Em projeto-piloto, moradores de Serrana (SP) recebem as primeiras doses da CoronaVac

Em projeto-piloto, moradores de Serrana (SP) recebem as primeiras doses da CoronaVac

Divulgação / Governo de SP

Os primeiros moradores de Serrana, no interior de São Paulo, receberam nesta quarta-feira (17) a dose da CoronaVac. A cidade integra o projeto S com o objetivo de imunizar 30 mil pessoas acima de 18 anos, em um projeto-piloto que vai avaliar o efeito da vacinação em massa. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), acompanhou o início da campanha.

A aplicação da dose será feita em nove escolas do município e já tem fila de espera na manhã desta quarta. Só não serão vacinadas crianças, adolescentes, grávidas e lactantes. Segundo o governador, as 60 mil doses já estão separadas e são exclusivas para o estudo.

"Vocês estão testemunhando um momento histórico na vida da ciência. O que está sendo feito aqui atenderá a São Paulo, ao nosso país e ao mundo, já que não há estudo semelhante em execução no planeta. Foi o Instituto Butantan, que completa 120 anos, que trouxe a vacina do Brasil, que protege e salva", afirmou Doria, em coletiva de imprensa em Serrana. 

Participam do programa, 500 profissionais, alguns foram contratados para a vacinação em massa. A expectativa é de que os trabalhos durem oito semanas com a aplicação das duas doses. Para facilitar a organização, o município foi dividido em quatro regiões

O resultado da pesquisa da eficácia da vacina em barrar a propagação do novo coronavírus deve ser conhecido em 13 semanas, segundo o Instituto Butantan.

"Estamos testando também ferramentas tecnológicas que vão ajudar no combate à pandemia no estado. Todos habitantes de Serrana poderão ter no celular a Tainá, um programa que mostra o esquema vacinal, as possíveis reações adversas, os sintomas da infecção e orientação à população sobre necessidade de atendimento médico. Podemos ampliar isso para o Brasil inteiro", revelou Dimas Covas, diretor-presidente do Instituto Butantan.

A cidade foi escolhida por ser um município pequeno, mas com uma intensa circulação de pessoas. Outro estudo detectou que nenhuma cidade da região tem teste rápido disponível para covid-19 e nem liberação do resultado em 24 horas.

Projeto-piloto e vacinação

Os moradores foram cadastrados desde o dia (11). "Quanto maior for a adesão, maior será a contribuição que o município dará ao mundo. Estamos em um momento crítico porque temos novas variantes de vírus", disse Covas.

Um dos diretores do estudo, Ricardo Palácios, explicou que o objetivo é investigar a redução de casos graves, o bloqueio de transmissão do vírus e os efeitos indiretos da vacinação.

A cidade foi dividida em quatro grupos que serão vacinados em semanas diferentes. A definição da ordem dos grupos (organizados por cores) ocorreu por meio de sorteio. Todos os insumos serão rastreados para evitar roubos e desvios.

As pessoas precisam ser moradoras de Serrana, adultas e ter interesse em participar voluntariamente do estudo. De acordo com o sorteio, a primeira região a ser vacinada será a verde (17 de fevereiro), na sequência a amarela (24 de fevereiro), cinza (3 de março) e, por fim, a azul (10 de março).

Últimas