Novo Coronavírus

São Paulo Motoristas de vans escolares de SP protestam por auxílio emergencial

Motoristas de vans escolares de SP protestam por auxílio emergencial

Categoria está parada desde o início da pandemia do novo coronavírus e tenta conseguir recursos pagos pelo governo. Ato acontece em frente à prefeitura

  • São Paulo | Rafael Custódio e Mariana Rosetti, da Agência Record

Motoristas de vans escolares protestam por auxílio emergencial em São Paulo

Motoristas de vans escolares protestam por auxílio emergencial em São Paulo

Reprodução / Arquivo Pessoal

Motoristas de vans escolares reivindicam auxílio emergencial pago pelo governo, uma vez que a categoria está parada desde março em decorrência da pandemia do novo coronavírus. O grupo está reunido em frente à Prefeitura de São Paulo, no viaduto do Chá, com megafones e cartazes.

Leia mais: Poluição será desafio para o novo prefeito de São Paulo

O ato teve início às 6h20 desta quarta-feira (30). A partir das 14h, os manifestantes prometem seguir para a sede da Câmara Municipal de São Paulo, também na região central. O protesto é pacífico e ocupa a calçada do viaduto do Chá.

Veja também: Polícia cogita ouvir criança de 7 anos sobre casal encontrado morto em SP

Outro lado

Em nota, a Prefeitura de São Paulo informou que tem tomado medidas que beneficiam os condutores de vans escolares, atendendo a pedidos da categoria: uma portaria publicada em 28 de abril concedeu aos 2.673 condutores credenciados no Programa TEG (Transporte Escolar Gratuito) auxílio mensal equivalente a 50% dos valores pagos em seus contratos pelo transporte de estudantes da rede municipal e de instituições de educação especial que mantêm parcerias com a Secretaria Municipal de Educação, mesmo sem realizar o deslocamento de alunos.

Segundo a prefeitura, o auxílio mensal pode chegar a R$ 4.678, dependendo da quantidade de alunos transportados por cada condutor no período pré-pandemia. Do total de condutores, 306 recebem pagamento integral por prestarem serviço à Secretaria Municipal da Saúde.

Leia ainda: Poluição será desafio para o novo prefeito de São Paulo

A prefeitura também prorrogou por mais um ano a data de vencimento dos documentos expedidos para o exercício dos serviços de transporte escolar na capital. A documentação que venceu entre 1º de janeiro e 13 de março pode ser regularizada em até 60 dias, a contar da data do retorno do atendimento presencial, sem incidência de multa.

De acordo com a legislação, a idade limite é de dez anos para vans e similares, de 15 anos para microônibus e de 25 anos para ônibus. Os veículos beneficiados com a extensão provisória da vida útil deverão passar por inspeções quadrimestrais.

A Secretaria Municipal de Educação ressaltou ainda que o retorno das aulas é facultativo e as escolas municipais podem optar por duas datas: 7 de outubro ou 19 de outubro. A decisão cabe ao Conselho de cada escola.

Últimas