violência contra a mulher
São Paulo Mulher é agredida por integrante da Vai-Vai em ensaio no sambódromo

Mulher é agredida por integrante da Vai-Vai em ensaio no sambódromo

A agressão feita pelo homem foi gravada por várias pessoas que assistiam ao desfile da escola no sambódromo e compartilhada nas redes sociais

Vídeo registrou momento em que homem puxa a mulher pelos cabelos

Vídeo registrou momento em que homem puxa a mulher pelos cabelos

Reprodução/Facebook Douglas Miguel

Uma mulher foi agredida por um integrante da escola de samba Vai-Vai durante ensaio técnico na madrugada deste domingo (20), no Sambódromo do Anhembi, na zona norte de São Paulo. Segundo a Vai-Vai, o autor da agressão foi afastado de qualquer atividade junto a escola.

Leia mais: Mc Soffia vai participar de desfile em exaltação ao negro na Vai-Vai

A agressão foi registrada por várias pessoas que assistiam ao desfile da escola no sambódromo e compartilhada nas redes sociais. Nas imagens o homem puxa a mulher pelos cabelos e começa a empurrá-la.

Leia também: MP investiga escola de samba por desvios de verbas do carnaval de SP

Segundo a Polícia Militar, o homem e a vítima foram orientadas no local por uma equipe que atendeu a uma solicitação de desinteligência por volta de 4h30 da manhã. 

A Escola de Samba Vai-Vai também fez publicações em suas redes sociais referente ao caso:.

"A Diretoria e Conselho do G.R.C.S.E.S. Vai-Vai vem a público, para informar que não pactua com atos de violência e covardia praticados contra uma componente e colaboradora desta instituição. O autor dos atos em questão está sumariamente afastado de qualquer atividade junto a nossa escola.

Viemos publicamente manifestar nosso mais sincero pedido de desculpas, registrando aqui nossa total e irrestrita solidariedade a vítima.

Não mediremos esforços para que a nossa componente fique bem e tenha todos os meios para garantir e legitimar os seus direitos.

Repudiamos de forma veemente o triste e criminoso fato ocorrido e não admitiremos em hipótese alguma que lamentáveis acontecimentos como este fiquem impunes."