Mulher leva tiro na boca durante ação da PM na zona leste de SP

Moradora de condomínio local estava a cerca de dois metros de distância do policial quando foi alvejada; bala atravessou sua bochecha e alojou-se na boca

Ação da polícia ocorreu na zona leste de SP

Ação da polícia ocorreu na zona leste de SP

Reprodução

Uma mulher levou um tiro no rosto – disparado por um policial militar – durante ação da PM na busca por um suposto traficante na zona leste de São Paulo. Com uma espingarda, o agente atingiu a moradora de um condomínio da região e a bala de borracha atravessou a bochecha da vítima, alojando-se em sua boca.

A ação da PM aconteceu na noite de 04 de agosto, por volta das 23h30. Imagens às quais a Record TV teve acesso mostram o momento em que os policiais disparam os tiros de borracha contra os moradores.

Rosemeire Santos da Silva, de 34 anos, estava a cerca de dois metros de distância do policial quando foi alvejada. A bala estraçalhou os dentes molares no fundo da boca.

Ela foi socorrida e levada para o Hospital Sapopemba, na região da ação policial, e depois transferida para o Hospital Penteado, na zona norte. Alojada no maxilar, a bala foi retirada, e Rosemeire terá que ser submetida a um procedimento estético no rosto.

Arquivo pessoal

Em contato com a Record TV, questionada se a operação dos policiais seguiu o protocolo da corporação, a Secretaria de Segurança Pública informou que os policiais da Força Tática do 19º Batalhão envolvidos na ocorrência foram afastados dos serviços de rua, e o órgão abriu um inquérito para investigar o procedimento dos militares.

Veja também: PCC cresce no Paraguai e lidera rebeliões por direitos dos presos

A vítima procurou a Ouvidoria das Polícias Militar do Estado de São Paulo, que está acompanhando as investigações.

Posicionamento da PM de São Paulo

A Polícia Militar esclarece que foi instaurado inquérito policial militar (IPM) para apurar todas as circunstâncias dos fatos e que os policiais militares envolvidos na ocorrência foram afastados preventivamente do serviço operacional. A Instituição não compactua com desvios de conduta de seus policiais e apura com rigor todas as suspeitas, por meio da Corregedoria.