São Paulo Mulher torturada ao lado de filho é salva de cárcere no litoral de SP

Mulher torturada ao lado de filho é salva de cárcere no litoral de SP

Agentes encontraram vítima com criança de 2 anos, trancada em cômodo insalubre com janela gradeada e porta trancada

  • São Paulo | Do R7*

Mulher foi torturada ao lado de filho de 2 anos na Praia Grande, litoral de SP

Mulher foi torturada ao lado de filho de 2 anos na Praia Grande, litoral de SP

Divulgação

Policiais da Delegacia de Defesa da Mulher da Praia Grande, no litoral de São Paulo, prenderam na quinta-feira (3) um homem de 29 anos acusado de violência doméstica, sequestro e cárcere privado, lesão corporal contra a companheira e o filho.

As vítima foram libertadas na quarta-feira (2) após a Guarda Civil Municipal da cidade receber uma denúncia. A delegada representou pela prisão temporária e decretação de medida protetiva de urgência, ambas acatadas pelo Poder Judiciário.

A mulher era mantida em cárcere privado e gritava por socorro. Durante um patrulhamento pela avenida Zélia Gigliolli Galves, no bairro Esmeralda, a equipe da Guarda Civil Municipal de Praia Grande encontrou uma mulher que apontou para uma casa no mesmo terreno. No local, foram encontradas casas aglutinadas e sobrepostas.

Os agentes entraram no terreno e avistaram uma mulher com uma criança de aproximadamente 2 anos de idade, trancada em um cômodo insalubre e com janela gradeada, além de porta com fechadura do tipo tetra.

Após conversarem brevemente com a vítima, foi confirmado que ela era mantida trancada no cômodo, sem alimentação e sem comunicação com outras pessoas. Os agentes descobriram ainda que a mulher era agredida pelo companheiro, além de sofrer ameaças constantes. A vítima pedia ajuda, abrigo e comida para o filho. Segundo os agentes, a vítima teria dito que gostaria de voltar para a região Nordeste, onde mora com sua família.

Os agentes pediram a presença do Conselho Tutelar, assistente social do Creas. A vítima foi levada à delegacia da mulher de Praia Grande onde a delegada Lívia Bonella pediu abrigo da vítima e do filho junto ao CREAS/SEAS, medida protetiva em desfavor do autor e guias para o IML.

A vítima e seu filho foram encaminhados ao CREAS Boqueirão e ficaram sob os cuidados de uma assistente social. O agressor foi conduzido à delegacia para esclarecimentos e foi liberado após narrar sua versão dos fatos. 

* Com a colaboração de Vitor Hugo Martins, da Record TV

Últimas