São Paulo Namorada de GCM encontrado morto é presa em São Paulo

Namorada de GCM encontrado morto é presa em São Paulo

Segundo a Polícia Civil, guarda civil municipal foi morto dentro de uma comunidade na zona leste, na última segunda (1º)

  • São Paulo | Letícia Dauer, da Agência Record

GCM foi encontrado morto em SP

GCM foi encontrado morto em SP

Reprodução/Record TV

A Guarda Civil Metropolitana de São Paulo prendeu nesta terça-feira (3), em uma comunidade da zona leste de São Paulo, a mulher do GCM Marcos Roberto da Cruz, de 52 anos. Ele foi encontrado morto e com marcas de violência na última segunda-feira (1º), na ponte do Aricanduva, sentido Fernão Dias, no Tatuapé, também na zona leste paulistana, e a mulher é a suspeita de ter cometido o crime.

De acordo com a Polícia Civil, a mulher foi encaminhada ao 10° DP (Penha). E o caso está sendo investigado pelo DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa).

Conforme as informações registradas em boletim de ocorrência, policiais militares foram acionados para uma ocorrência de averiguação de pessoa caída em via pública. No local, encontraram o GCM na calçada enrolado em um cobertor. As duas pernas da vítima estavam amarradas por cordas e fitas de plásticos. O corpo também apresentava arranhões no peito, além de ferimentos no rosto e cabeça.

De acordo com o delegado Fábio Pinheiro Lopes, do DHPP, a vítima foi assassinada dentro de uma comunidade e, em seguida, foi carregada até a ponte. No local, teria tentado jogar o corpo de Marcos no rio, localizado embaixo da ponte. Entretanto, não conseguiram devido à altura do gradil, por isso o abandonaram.

Ainda segundo Lopes, o guarda foi morto a pauladas. As marcas de arranhões pelo corpo do guarda civil demonstram que ele se envolveu em uma luta corporal antes de morrer.

Cerca de uma hora antes do encontro do corpo, a Polícia Militar recebeu uma ligação, informando que um guarda civil metropolitano teria sido morto pela sua esposa, na região da Penha, e que ela teria desaparecido com o corpo.

O denunciante ainda relatou aos policiais que algumas pessoas teriam encontrado a esposa e a amarrado em um barraco pelas redondezas, segundo o boletim de ocorrência.

Equipes se deslocaram até o local e realizaram diligências pelas comunidades próximas, porém nada foi constatado. Dessa forma, naquele momento, a PM decidiu encerrar o chamado.

Quando o corpo de Marcos foi localizado, estava sem documentos. A vítima foi reconhecida pela Comandante Regional da Guarda Civil Metropolitana, Rosemeire da Silva Santos. Ela contou à polícia que a vítima não compareceu ao serviço em dois dias da semana passada.

O caso foi registrado como homicídio simples pelo 10° Distrito Policial da Penha e encaminhado ao DHPP, que será responsável pela investigação.

Ameaça

De acordo com apurações da Polícia Civil, a esposa do GCM teria ameaçado a ex-namorada dele, em 15 de janeiro deste ano. Conforme o boletim de ocorrência, durante o período da manhã, a ex-namorada do guarda estava trabalhando, quando recebeu uma ligação de suspeita, que teria dito: "não sabe com quem está mexendo" e "que iriam acabar com ela".

Em seguida, a vítima ligou para Marcos, pois achou que poderia ser um trote de outra pessoa. Entretanto, o GCM confirmou a ligação e teria ainda afirmado que "iriam acabar com ela".

Na delegacia, a vítima disse que não sabe o motivo das ameaças e ofensas. O caso foi registrado como ameaça e injúria na Delegacia de Defesa da Mulher de Piracicaba, no interior de São Paulo.

Últimas