São Paulo 'Não quis nem ver as imagens', diz guarda espancado em parque

'Não quis nem ver as imagens', diz guarda espancado em parque

Marcelo conta que viu o grupo avançando contra ele e sua colega de trabalho, e ambos foram agredidos, mas que não se lembra de todos os momentos 

  • São Paulo | Do R7

Guardas foi agredido enquanto estava no chão

Guardas foi agredido enquanto estava no chão

Reprodução/Record TV

O guarda-civil Marcelo Moreno da Costa, de 56 anos, falou pela primeira vez após ser espancado e desmaiar durante abordagem para conter aglomerações em um parque de Mogi das Cruzes (SP). Em entrevista à Record TV, o GCM disse não se lembrar de parte das agressões, as quais preferiu não ver, e que já está bem.

“Na realidade eu não quis nem ver as imagens. Tinha uma gravação que eles (os agressores) mesmos fizeram. Eu vi só um pedaço e nem quis ver o resto”, relatou Moreno à reportagem.

Ele também conta que viu o grupo avançando contra ele e Fabiana, sua colega de trabalho, e que os dois foram agredidos. “Graças a Deus a maior parte ficou em cima de mim. É o que eu me lembro: vieram e agrediram. Depois, eu não sei. Disseram que caí, que desmaiei”, diz.

Segundo o GCM, seu colete o ajudou a não ter lesões mais graves, apesar dos hematomas. No hospital, para onde foi conduzido com ajuda de Fabiana, foram feitas três tomografias e um raio X da coluna – sem fraturas constatadas.

Assim como Marcelo, Fabiana também não teve lesões graves e está bem.

Um dos agressores foi preso e outras quatro pessoas envolvidas já foram identificadas pela polícia. O caso é investigado pelo 1º DP de Mogi das Cruzes.

Últimas