"Nossos hospitais estão ficando lotados", diz Bruno Covas

Prefeito afirmou que há hospitais municipais com 100% de ocupação em leitos de UTI. "Nossa rede conta com mais de 60% da capacidade ocupada"

Bruno Covas afirma que rede municipal tem 60% da capacidade ocupada

Bruno Covas afirma que rede municipal tem 60% da capacidade ocupada

Roberto Casimiro/Fotoarena/Estadão Conteúdo – 24.03.2020

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, afirmou nesta quinta-feira (16), durante coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, que alguns hospitais da rede municipal estão se aproximando da capacidade máxima de atendimento. "Nossos hospitais estão ficando lotados apesar de todo o esforço que a prefeitura vem fazendo para a criação de novas vagas e leitos de UTI."

Leia mais: UTI do Instituto de Infectologia Emílio Ribas está lotada, diz Uip

Covas disse ainda que a prefeitura publicou um decreto para aumentar a transparência em relação ao número de vagas em UTI (Unidades de Terapia Intensiva). "Todos os hospitais, não apenas os públicos, como também filantrópicos e privados, serão obrigados a informar diariamente quantos leitos possuem e quantos estão ocupados", afirmou Covas. "É um dever de todos dar transparência a essa informação e permitir que a sociedade reconheça como estão esses hospitais."

Segundo o prefeito, já há hospitais municipais com 100% de ocupação de leitos de UTI. "Nossa rede conta com mais de 60% da capacidade operacional ocupada. Estamos abrindo novos leitos todos os dias, mas nada vai adiantar se as pessoas não conhecerem a realidade e ficarem em casa", afirmou Covas.

O prefeito anunciou ainda, também por meio de um decreto, a criação de um Comitê de Contingência Funerária na cidade. "Vamos colocar os órgãos de segurança, da saúde e de outros departamentos para agilizar processos e organizar a estrutura. Vamos fazer tudo para que não tenhamos em São Paulo as cenas lamentáveis que vimos pelo mundo", afirmou Covas ao mencionar as dificuldades de outros países para enterrar vítimas da covid-19. 

A região com maior pressão sobre leitos de UTI, de acordo com o secretário de saúde municipal, Edson Aparecido, é a zona leste da cidade. "Em São Miguel, Cidade Tiradentes e em Ermelínio Matarazzo são as regiões onde já chegamos ao limite de ocupação", disse.

Aparecido informou que São Paulo possui 19 hospitais públicos e nove referenciados para o atendimento de casos da covid-19. "A expressiva maioria localizada na periferia da cidade, apenas um no centro." A média de ocupação dos leitos de UTI é de 65%, segundo ele.