Para Anonymous, ação de hackers foi fundamental para retirada de animais de instituto em São Roque

Site da empresa foi derrubado e dados do proprietário acabaram expostos na internet

A invasão da sede do Instituto Royal por cerca de 150 ativistas, na madrugada desta sexta-feira (18), para a retirada de animais que eram usadas em pesquisas farmacêuticas, tomou grandes proporções graças ao apoio de grupos virtuais, de acordo com  um membro do movimento Anonymous.

De acordo com o ativista, o estopim do caso se deu na internet, mas a adesão, inicialmente, era baixa. Ele afirmou, em entrevista ao R7, que quando os hackers entraram na corrente, iniciaram medidas como ataques ao site e exposição de dados dos donos da empresa, por exemplo. Até que a ação se concretizou.

Dados da empresa e do próprio proprietário foram parar na web. O site da empresa foi derrubado e o endereço (com mapa para chegar) foi postado em alguns dos perfis mais movimentados de ativistas virtuais.

Advogado de instituto suspeito de maus-tratos a animais compara ativistas a "manada de elefantes"

Leia mais notícias de São Paulo

Os grupos Black Blocs, muito forte no Facebook e na web, e ALF (Frente de Libertação Animal),participaram da retirada dos cachorros e coelhos, ação movimentada e organizada pelas redes sociais.

Apesar de não ter sido organizada apenas pela web, os desdobramentos da ação devem continuar sendo orientados por lá também. Uma manifestação está convocada para as 10h deste sábado (19), para o endereço do instituto, em São Roque, interior de São Paulo.