Perícia explicará cabo desencapado que matou cavalo da polícia em SP

Para além da morte do animal, caso preocupou pela movimentação no centro da capital durante carnaval, pois choque também seria fatal a uma pessoa

Enel e Prefeitura divergem sobre responsabilidade pela morte

Enel e Prefeitura divergem sobre responsabilidade pela morte

Reprodução/Record TV

Uma perícia realizada pelo Instituto da Criminalística de São Paulo, na Praça da República, no centro da capital paulista, deve definir o que fez um cabo de iluminação pública ficar desencapado, culminando na morte de Conhaque, cavalo da Polícia Militar eletrocutado após contato com uma tampa de metal no local.

A Prefeitura de São Paulo e a Enel, responsável pela manutenção e distribuição da rede elétrica no estado, divergem a respeito das responsabilidades sobre o caso.

Enquanto o poder municipal afirma que a caixa de metal é de encargo da Enel, a distribuidora diz que seus funcionários “verificaram que o cabo da rede do serviço municipal de iluminação pública estava desencapado, o que provavelmente deixou a caixa subterrânea energizada”.

De acordo com a cabo Lúcia, agente da PM responsável por Conhaque, chovia quando o acidente ocorreu e a patrulha estava buscando abrigo.

Para além da morte do cavalo, o caso gerou preocupação pelo aumento na movimentação no centro de São Paulo durante o carnaval, pois o choque que matou o animal também seria fatal a pessoas.

A orientação aos foliões, dada pelo engenheiro eletricista Marcos Rosa dos Santos, é que andem pela calçada, evitando caixas de metal, e usem calçados com solado de borracha. A quem se deparar com alguém sofrendo uma descarga elétrica, deve-se utilizar pedaços de madeira ou borracha para afastar a vítima da fonte de energia, sem contato direto com ela.

Confira os posicionamentos da Prefeitura de São Paulo e da Enel na íntegra:

Enel

A Enel Distribuição São Paulo informa que técnicos da companhia estiveram no local do acidente e verificaram que o cabo da rede do serviço municipal de iluminação pública estava desencapado, o que provavelmente deixou a caixa subterrânea energizada. A Enel acrescenta que os cabos da concessionária estavam dentro do padrão, sendo um procedimento técnico e de segurança da empresa sempre manter seus cabos e conexões devidamente isolados. A companhia acrescenta que aguarda apuração da perícia realizada no local sobre as possíveis causas para o cabo de iluminação pública estar desencapado.

No ano, a distribuidora realiza cerca de 2.600 manutenções de suas câmaras subterrâneas ou caixas de passagem, por meio de inspeção visual, medições e termografia. Além disso, dada a proximidade do Carnaval, estão sendo realizadas inspeções nos pontos estratégicos de maior concentração popular.

Prefeitura

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal das Subprefeituras, informa que o local onde ocorreu o acidente foi em uma caixa da concessionária ENEL, sendo de sua responsabilidade a detecção de qualquer problema. A pasta esclarece que fiscaliza diariamente aproximadamente 45 mil postes de ferro na cidade de São Paulo, em razão de manutenções preventivas e corretivas, todos são aterrados. Importante informar que o Ilume, concessionária responsável pela iluminação pública na cidade, intensificou a inspeção de todos os postes das regiões que terão maior aglomeração em razão dos blocos de carnaval.