São Paulo PM e manifestantes entram em confronto durante protesto em SP

PM e manifestantes entram em confronto durante protesto em SP

Segundo a polícia, grupo que manifestava contra o presidente Bolsonaro atacou uma agência bancária e policiais intervieram

  • São Paulo | Rafael Custódio, da Agência Record

Manifestantes atacaram agência bancária

Manifestantes atacaram agência bancária

ROBERTO SUNGI/ESTADÃO CONTEÚDO

A Polícia Militar usou a força para intervir uma ação de um grupo de manifestantes que atacou uma agência bancária, na noite deste sábado (3), durante o protesto contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), na região da avenida Paulista, no centro de São Paulo.

Segundo a Polícia Militar, o grupo entrou na agência bancária, que fica na rua da Consolação, próximo à praça Roosevelt, e quebram vidros. Policiais intervieram para conter a ação. Até a publicação desta nota, a PM não contabilizava presos.

Ainda de acordo com a Polícia Militar, não houve a necessidade de lançamento de bombas de gás. O ataque aconteceu após os manifestantes caminharem no ato que iniciou por volta das 15h, nas imediações do Masp (Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand), na avenida Paulista.

Por volta das 19h, o grupo passou a descer a rua da Consolação. Segundo a SPTrans, 23 linhas de ônibus foram desviadas na região. A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) informou que a via está totalmente bloqueada em ambos os sentidos.

Segundo a organização Fora Bolsonaro Nacional, os protestos acontecem em pelo menos 300 cidades do Brasil e no exterior.

A campanha dá continuidade aos atos que aconteceram nos dias 29 de maio e 19 de junho. Os manifestantes têm diversas reivindicações, incluindo o impeachment do atual presidente da república, a ampliação da imunização no Brasil, um maior investimento no SUS e políticas de manutenção dos salários.

A recomendação dos grupos que organizam é que as passeatas sejam feitas em lugares abertos, com distanciamento de pelo menos dois metros, uso de máscaras (preferencialmente PFF2 ou N95), além da disponibilização de proteção para aqueles que não tiverem condições de acesso.

Últimas