São Paulo PM é suspeito de sequestro e extorsão de cinco refugiados em SP

PM é suspeito de sequestro e extorsão de cinco refugiados em SP

Vítimas haviam acabado de chegar de Bangladesh quando tiveram quarto de hotel invadido, colocadas em carro e extorquidas

  • São Paulo | Beatriz Leite* e Rafael Custódio*, da Agência Record

Vítimas foram abandonadas após o pagamento feito pelas famílias

Vítimas foram abandonadas após o pagamento feito pelas famílias

Divulgação/ Agência Record

Um policial militar, um farmacêutico e um empresário são suspeitos de participar do sequestro e extorsão de cinco refugiados de Bangladesh, que haviam acabado de se hospedar em um hotel na rua Dr. Ornelas, no Pari, região central de São Paulo, na noite de 23 de junho. O empresário foi preso e a polícia pediu a prisão do PM e do farmacêutico. 

Segundo a polícia, ao menos cinco pessoas participaram do crime, sendo o mandante o dono de uma farmácia. Os outros quatro se passaram por policiais para invadir o quarto das vítimas e extorqui-las.

Inicialmente eles roubaram cerca de 8 mil dólares que os imigrantes haviam trazido e, em seguida, os suspeitos ligaram para cada uma das famílias das vítimas pedindo o pagamento de 10 mil dólares para que não fossem mortos.

As vítimas foram levadas em dois carros para um lugar onde não souberam identificar, e foram liberadas quando os suspeitos confirmaram os pagamentos. Os refugiados pediram ajuda e conseguiram retornar até o hotel.

Os outros participantes do sequestro ainda não foram identificados. As vítimas disseram que vieram para o Brasil para trabalhar e morar, e que emitiram o protocolo de refúgio assim que chegaram no país.

*Estagiários sob a supervisão de Letícia Dauer, da Agência Record.

Últimas