São Paulo PM passa mal após usar contraste em exame no interior de São Paulo

PM passa mal após usar contraste em exame no interior de São Paulo

Policial, de 52 anos, se internou para fazer uma ressonância magnética do abdômen

Um policial militar foi para um hospital, em Guaratinguetá, no interior paulista, e teve complicações depois de receber uma dose de contraste para fazer um exame de ressonância magnética.

A ressonância magnética seria feita no abdômen num hospital particular, mas, antes de ser submetido ao procedimento, o paciente passou mal.

Ele recebeu na veia uma dose de contraste, substância que facilita a visualização dos órgãos durante o exame. O PM, de 52 anos, é major da Polícia Militar. Ele foi internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva), sedado e respira com ajuda de aparelhos.

Leia mais notícias de São Paulo

A Polícia Civil começou a investigação para descobrir o que teria provocado as complicações e os possíveis responsáveis. O caso foi registrado como lesão corporal culposa, quando não há intenção de matar.

A Secretaria Municipal de Saúde enviou comunicado a todos os hospitais e clínicas da cidade. Nele o órgão pede que exames que necessitem do uso de contraste sejam suspensos.A vigilância sanitária foi notificada e por cautela interditou três lotes do produto usado na unidade.

Mortes

O caso aconteceu três dias depis que três pacientes morreram no Hospital Vera Cruz, em Campinas, cidade do interior de São Paulo. Todos haviam realizado a ressonância magnética e também receberam o contraste.

As causas das mortes estão sendo investigadas.

Assista ao vídeo:

Últimas