STF

São Paulo Polícia Civil intensifica operação para recapturar André do Rap

Polícia Civil intensifica operação para recapturar André do Rap

Traficante foi solto a pedido do STF no sábado; agentes vasculham endereços ligados ao criminoso, que, suspeita-se, já pode estar no Paraguai

  • São Paulo | Do R7

André do Rap pode ter fugido para o Paraguai

André do Rap pode ter fugido para o Paraguai

Reprodução

A Polícia Civil de São Paulo continua nas ruas em busca do traficante André do Rap, solto no sábado (10) após determinação do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello. Agentes vasculham endereços ligados ao criminoso também em outros Estados.

Apesar de a Secretaria de Segurança Pública paulista não dar informações sobre a operação, para não atrapalhar as investigações, agentes intensificaram as buscas em pontos ligados ao traficante e não descartam encontrá-lo ainda em território brasileiro nos próximos dias.

Ministro da Justiça se posiciona contra soltura de André do Rap

A força-tarefa, montada por equipes do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais), DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) e DOPE (Departamento de Operações Policiais Estratégicas), iniciou a operação após o presidente do STF, Luiz Fux, determinar o retorno imediato do traficante internacional André Oliveira Macedo, conhecido como André do Rap, para a prisão, revertendo decisão anterior de Marco Aurélio Mello.

Doria elogia Fux por determinar volta de traficante do PCC à prisão

O traficante, acusado de chefiar ações do grupo criminoso PCC (Primeiro Comando da Capital) na Baixada Santista, deixou a Penitenciária II de Presidente Venceslau, no interior de São Paulo, na manhã de sábado. Ele é condenado a penas que somam mais de 25 anos.

A informação divulgado no fim de semana foi de que, assim que foi liberado, André do Rap teria ido de carro para Maringá, no Paraná, onde já estaria um avião particular à espera dele para levá-lo ao Paraguai.

A decisão de Fux atendeu a um pedido apresentado pela PGR (Procuradoria-Geral da República). No despacho, o presidente do Supremo afirmou que a soltura de André do Rap ‘compromete a ordem e a segurança públicas’ e observou a ‘altíssima periculosidade’ e o ‘histórico de foragido por mais de 5 anos’ do suposto traficante.

Já Marco Aurélio, que havia atendido a um pedido da defesa, entendeu que o prazo para manutenção da prisão preventiva foi esgotado e que a continuidade da medida cautelar era ilegal uma vez que não houve decisão judicial decretando sua renovação nos últimos 90 dias - conforme prevê a legislação desde que foi aprovado o Pacote Anticrime.

O traficante foi preso pela Polícia Civil em setembro de 2019 em uma mansão em Angra dos Reis, no litoral do Rio. Ele era procurado desde 2014, sob acusação do Ministério Público Federal de ser responsável por escoar cocaína para diversos países, via Porto de Santos. 

Últimas