São Paulo Polícia de SP investiga desvio de R$ 80 milhões em telecomunicações

Polícia de SP investiga desvio de R$ 80 milhões em telecomunicações

Doze mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Santo André, Campinas, Rio de Janeiro e Curitiba e 8 pessoas são investigadas

Ex-diretor de saúde da Telefônica levado para prestar depoimento no 96º DP

Ex-diretor de saúde da Telefônica levado para prestar depoimento no 96º DP

Reprodução RecordTV

A Polícia Civil do Estado de São Paulo investiga um desvio de aproximadamente R$ 80 milhões praticados nos anos de 2008 e 2015 por funcionários da Telefônica e da Associação Brasileira dos Empregados de Telecomunicações (ABET).

Operação da Polícia Civil prende sete suspeitos de tráfico de drogas

Na manhã desta quarta-feira (13), 12 mandados de busca e apreensão foram cumpridos cidades de Santo André, Campinas, Rio de Janeiro e Curitiba e 8 pessoas são investigadas, entre os investigados estão o ex-diretor de saúde da Telefônica, levado na manhã desta quarta-feira (13) para prestar esclarecimentos ao 96º DP (Brooklin). Foi solicitado a quebra dos sigilos fiscais e bancários dos envolvidos. A Polícia Civil procura mais provas que liguem os suspeitos à denúncia.

O golpe funcionava através de um benefício cedido aos funcionários associados à ABET.

A associação mensalmente envia uma fatura à Telefônica, onde solicita reembolsos dos benefícios prestados aos associados, porém um grupo de funcionários, entre eles, o ex-diretor de saúde da Telefônica e o superintendente da ABET, criaram empresas de fachadas, emitindo falsas faturas de serviços supostamente prestados e cobrava o pagamento à Telefônica. Entre os benefícios estão descontos em plano de saúde, medicamentos, e compra de passagens aéreas mais baratas.

Operação no interior prende integrantes de 'tribunal do crime' do PCC

A Telefônica recebeu cartas anônimas que denunciava a fraude. Ao instalarem uma auditoria e constatarem o golpe todo o levantamento foi entregue à Polícia Civil que investigou o caso por quatro meses.

Os suspeitos responderão pelo crime de Estelionato e Organização Criminosa, pelo 96º DP (Brooklin). A Polícia apura o crime de lavagem de dinheiro, uma vez que a quantia de 80 milhões ainda não foi encontrada. O caso segue em investigação. A auditoria da Telefônica participou do caso.

Por meio de nota, a Telefônica afirmou que já havia requerido a abertura de inquérito policial para apurar responsabilidade criminal de ex-colaboradores, no período de 2008 a 2014, acerca de prejuízos sofridos pela empresa em razão de valores pagos à título de despesas médicas dos seus empregados por intermédio do plano de saúde à época (Plamtel/Abet). "A empresa foi vítima nesse processo e tem plena confiança no trabalho das autoridades", declarou.

A ABET também se posicionou por meio de nota dizendo que "com a posse do Novo Conselho da Abet, em maio de 2017, a Associação passou a colaborar com a Telefônica quanto à verificação e análise de informações e documentos relacionados ao convênio existente entre as duas entidades. Em paralelo com a abertura de inquérito policial pela Telefônica, a ABET fez denúncia junto ao Ministério Público também para apurar responsabilidade criminal de ex-dirigentes e ex-colaboradores da Associação e da empresa sobre os prejuízos sofridos em razão de valores pagos a título de despesas médicas por meio do plano de saúde da época (Plamtel/Abet). A ABET reafirma seu compromisso com a transparência e tem se colocado à disposição das autoridades para prestar todos os esclarecimentos. A ABET também foi vítima neste processo e deposita total confiança no empenho e no trabalho das autoridades".

    Access log