São Paulo Polícia e MP fazem operação contra desvio de verba pública da Saúde

Polícia e MP fazem operação contra desvio de verba pública da Saúde

Em SP são cumpridos cerca de 260 mandados de busca e apreensão e 57 de prisão temporária. Equipes também estão no PA, PR, MG e MS

  • São Paulo | Mariana Rosetti, Edilson Muniz e Rafael Custódio, da Agência Record

A Polícia Civil e o Ministério Público de São Paulo deflagraram nesta terça-feira (29) a megaoperação intitulada Raio-X contra suspeitos de desvio de verba pública na área da Saúde.

A ação acontece no estado de São Paulo com o nome Raio-X e também nos estados do Pará, Paraná, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul, como operação S.O.S. As duas têm o mesmo objetivo. 

Leia mais: Polícia Federal faz buscas no gabinete de governador do Pará

Em São Paulo, são cumpridos cerca de 260 mandados de busca e apreensão e 57 mandados de prisão temporária.

Operação Raio-X

Operação Raio-X

Divulgação

Na capital e na região de metropolitana, policiais estão nas ruas para cumprir 40 mandados de busca e apreensão em hospitais e escritórios de advocacia e 10 mandados de prisão.

Seis pessoas foram presas até o momento e encaminhadas ao Palácio da Polícia Civil, no centro da capital. Além de computadores, celulares e outros objetos que também foram apreendidos.

Veja também: Mutirão de emprego tem 1,4 mil currículos cadastrados por hora

A ação conta com o apoio de 50 viaturas e mais de 120 policiais. Advogados e promotores de justiça seguem com os agentes da Polícia Civil aos endereços investigados.

A operação Raio-X faz parte de uma investigação do município de Araçatuba, da Seccional de Piracicaba, no interior de São Paulo, e busca investigar desvios na área da Saúde Pública e outros crimes relacionados à corrupção. 

Leia ainda: 97% das pessoas acreditam em novo estilo de vida após pandemia

Agentes do GER (Grupo Especial de Reação (GER), um dos grupamentos táticos da Polícia Civil, dão apoio no cumprimento dos mandados. O Dope (Departamento de Operações Policiais Estratégicas) também presta auxílio.

Em nota, a SSP (Secretaria da Segurança Pública) de São Paulo informou que a Polícia Civil e o Ministério Público realizam a operação Raio-X, com o objetivo de prender envolvidos em desvio de dinheiro destinado à Saúde. A ação é coordenada pelo Deinter 10 (Araçatuba), através da Divisão Especializada de Investigações Criminais.

Veja mais: Saiba o que é permitido na propaganda eleitoral dos candidatos

Por meio de nota, o governador João Doria (PSDB) afirmou que "determinou ao secretário de Saúde, Jean Gorinchteyn, um pente fino para apurar contratos com Organizações Sociais". E completou: "Não vamos tolerar que o Estado seja vítima de inescrupulosos". 

Investigação

A investigação, que conta com inquéritos policiais e civis instaurados, teve a duração de aproximadamente dois anos, período em que foram levantadas informações que indicam a existência de um sofisticado esquema de corrupção envolvendo agentes públicos, empresários e profissionais liberais, bem como de desvio de milhões de reais que deveriam ser aplicados na Saúde.

A celebração de contratos de gestão entre organizações sociais e o Poder Público, se dava, em sua maioria, por meio de procedimentos licitatórios fraudulentos e contratos superfaturados.

Leia ainda: SP abre licitação para concessão dos parques Mário Covas e Trianon

De acordo com o MP, as prisões e as buscas se deram em municípios como Penápolis, Araçatuba, Birigui, Osasco, Carapicuíba, Ribeirão Pires, Lençóis Paulista, Agudos, Barueri, Guapiara, Vargem Grande Paulista, Santos e Sorocaba.

Operação S.O.S

A Polícia Federal, em conjunto com a CGU (Controladoria-Geral da União) e a Polícia Civil de São Paulo, deflagrou a operação S.O.S. A ação visa desarticular organização criminosa dedicada a desvios de recursos públicos destinados à contratação de Organizações Sociais para gestão de hospitais públicos do Pará, entre eles os hospitais de campanha montados para enfrentamento da pandemia do novo coronavírus.

A investigação começou em agosto de 2019 e vai até maio, com 12 contratos celebrados entre o Governo do Estado do Pará e Organizações Sociais ligadas ao grupo investigado, totalizando o valor de R$ 1,28 bilhão.

Veja mais: MP-SP pede prisão de policial civil suspeito de matar idoso

Os investigados são empresários, o operador financeiro do grupo, integrantes da cúpula do governo do Pará, além do próprio Chefe do Poder Executivo Estadual.

A operação conta com a participação de 218 policiais federais, 14 auditores da CGU e 520 policiais civis.

A ação pretende cumprir 12 mandados de prisão temporária e 41 de busca e apreensão, expedidos pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça), além de 64 mandados de prisão temporária e 237 mandados de busca e apreensão expedidos pelas Varas de Birigui e Penápolis, no interior de São Paulo.

As diligências ocorrem no Pará em cidades como Belém, Capanema, Salinópolis, Peixe-Boi e Benevides, além de Goiânia (GO) e São Paulo.

Os crimes investigados são fraude em licitações, falsidade ideológica, peculato, corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa, com penas previstas superiores a 60 anos de reclusão.

Últimas