Novo Coronavírus

São Paulo Polícia identifica suspeito de vender atestados para furar fila da vacina

Polícia identifica suspeito de vender atestados para furar fila da vacina

Homem tem 35 anos, atuava na Praça da Sé e na Praça do Carmo, no centro, e ainda não foi preso por fraudar a documentação

  • São Paulo | Mariana Rosetti, da Agência Record

Suspeito por vender atestados falsos para furar fila da covid está na mira da polícia

Suspeito por vender atestados falsos para furar fila da covid está na mira da polícia

Jacques Lepine/Estadão Conteúdo - 18.06.2014

Um homem que vendia atestados médicos falsos para pacientes furarem a fila da vacinação contra a covid-19 foi identificado pela Polícia Civil na última sexta-feira (28). Ele atuava na Praça da Sé e na Praça do Carmo, na região central de São Paulo.

O homem, de 35 anos, vendia os atestados médicos falsos permitindo que supostos pacientes furassem irregularmente a fila de vacinação contra a covid-19, ao confirmar que essas pessoas tinham comorbidades.

O suspeito ofertava o atestado médico na Praça da Sé e na Praça do Carmo, perto da unidade do Poupatempo, na região central da cidade.

O atestado possuía o CID (Código Internacional da Doença), além do carimbo e o CRM (número que o profissional adquire após inscrição no Conselho Regional de Medicina) de uma médica da UBS Jardim IV Centenário, em São Mateus, na zona leste de São Paulo.

Segundo a SSP (Secretaria de Segurança Pública), "a investigação segue em andamento pela 1º Delegacia Seccional (Centro), que trabalha para localizar e prender o criminoso".

A pasta acrescentou que "as polícias Civil e Militar também atuam na região central de forma preventiva e ostensiva, por meio da Operação Marco Zero, em conjunto com diversos órgãos, como Secretaria de Justiça, Guarda Civil Metropolitana, Subprefeitura Sé, Secretaria de Desenvolvimento Social e outros."

Em nota, a SMS (Secretaria Municipal de Saúde) disse que, para coibir o uso de atestados falsos, "o prefeito Ricardo Nunes determinou que a Secretaria Municipal de Saúde retenha, a partir de agora, por amostragem, cópias dos atestados para investigação".

A médica, cujo CRM foi utilizado pelo homem identificado nesta sexta (28), "desconhecia a situação exposta, fará um boletim de ocorrência e já solicitou cópia do atestado mencionado para os devidos fins", segundo a polícia.

Solicitamos uma nota ao Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo) sobre o uso indevido do CRM.

Leia a nota da SSP na íntegra:

"A Polícia Civil identificou, nesta sexta-feira (28), um homem responsável por comercializar atestados médicos falsos na região central da Capital. A investigação segue em andamento pela 1º Delegacia Seccional (Centro), que trabalha para localizar e prender o criminoso. As polícias Civil e Militar também atuam na região central de forma preventiva e ostensiva, por meio da Operação Marco Zero, em conjunto com diversos órgãos, como Secretaria de Justiça, Guarda Civil Metropolitana, Subprefeitura Sé, Secretaria de Desenvolvimento Social e outros."

Leia a nota da Secretaria Municipal de Saúde:

"Para coibir o uso de atestados falsos de pacientes com comorbidades para furar a fila da vacinação na cidade de São Paulo, o prefeito Ricardo Nunes determinou que a Secretaria Municipal de Saúde retenha, a partir de agora, por amostragem, cópias dos atestados para investigação.

O objetivo é evitar favorecimento em detrimento daqueles que aguardam a vez do grupo elegível. Em caso de detecção de fraude, o Ministério Público será acionado para providências.

Com relação à profissional de saúde citada, a Coordenadoria Regional de Saúde (CRS) Leste informa que ela desconhecia a situação exposta, fará um boletim de ocorrência e já solicitou cópia do atestado mencionado para os devidos fins.

A SMS também oficiará o Delegado Geral da Polícia Civil para acompanhar as devidas investigações do caso."

Últimas