São Paulo Polícia investiga briga que terminou com disparos na zona oeste de SP

Polícia investiga briga que terminou com disparos na zona oeste de SP

Briga teria ocorrido após o anúncio de venda de um veículo. Pistola calibre .380 foi encontrada com o suspeito

  • São Paulo | Isabelle Gandolphi, da Agência Record

Briga acabou em disparos na rua Turiassu, próximo a um estacionamento em Perdizes

Briga acabou em disparos na rua Turiassu, próximo a um estacionamento em Perdizes

Reprodução Google Street View

Três pessoas são investigadas após uma briga que resultou em disparo de arma de fogo, na noite de sexta-feira (6), no bairro Perdizes, na zona oeste da capital. Uma arma e um veículo envolvidos na confusão foram apreendidos durante ação.

Policiais militares estavam em patrulhamento de rotina pela rua Cardoso de Almeida, quando uma pessoas informou que havia uma confusão na rua Turiassu, próximo a um estacionamento.

A equipe foi até o local e, ao chegar, soube que estava ocorrendo uma briga com um suspeito armado, que fez os disparos. As policiais não viram a briga, mas avistaram um grupo dizendo que um homem estava armado.

Nesse instante o suspeito veio na direção dos agentes, que notaram um volume sob suas vestes. Foi então realizada abordagem e uma pistola calibre .380 foi apreendida na cintura dele.

Neste momento, o grupo de pessoas que estava no local, mais de dez pessoas, começou a se aproximar e cercar o detido e as policiais para linchá-lo, gritando que iam matá-lo, dentre outras ameaças, o que fez com as PMs o colocassem dentro da viatura.

Foi requisitado apoio e, após a chegada de novas viaturas, a situação foi melhor apurada e constatou se tratar de uma briga envolvendo um anúncio da venda de um carro, sendo que o interessado se sentiu lesado, momento em que iniciou uma confusão.

Os fatos foram registrados em boletim de ocorrência no 23º Distrito Policial, sendo que após ainda houve nova confusão e o proprietário do veículo então chamou seu pai, que foi até o local e contou ter flagrado o seu filho sendo agredido.

O agente informou ter se apresentado como guarda municipal e realizado disparos em direção ao veículo como forma de alertar os agressores para se defender e preservar a vida de seu filho e a sua.

A arma e o veículo envolvidos foram apreendidos para posterior realização de exame pericial. Foram requisitados exame residuográfico no guarda, perícia veicular e exames de corpo de delito junto ao Instituto Médico Legal aos envolvidos.

O caso foi registrado no 91º Distrito Policial (Ceasa) como disparo de arma de fogo, legítima defesa, exercício arbitrário das próprias razões, lesão corporal e ameaça. As partes foram orientadas sobre o prazo de seis meses para representação criminal em relação aos crimes de lesão corporal e ameaça.

Últimas