São Paulo Polícia prende 5 por agressão a guardas em estação da CPTM

Polícia prende 5 por agressão a guardas em estação da CPTM

Segundo a CPTM, agressor teve mercadoria apreendida por seguranças. Vendedor voltou com outros três e agrediram dois seguranças

  • São Paulo | Marcos Rosendo, da Agência Record

Polícia prende cinco suspeitos de agressão a dois guardas na estação Ipiranga

Polícia prende cinco suspeitos de agressão a dois guardas na estação Ipiranga

Divulgação

A polícia prendeu cinco suspeitos de terem agredido dois guardas que fazem a segurança na estação na Ipiranga da Linha 10-Turquesa da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos.

Segundo a CPTM, um dos agressores havia tido sua mercadoria apreendida pelos seguranças da Estação, na manhã da quinta-feira (8). O mesmo vendedor voltou com outros três colegas e agrediram dois seguranças.

Leia mais: Quatro ambulantes chutam e socam segurança da CPTM caído. Veja vídeo

Os dois vigilantes foram socorridos e encaminhados para Pronto Socorro do Hospital Ipiranga, com ferimentos leves pelo corpo e um dos agressores, também com ferimentos leves, foi levado ao Pronto Socorro do Hospital da Barra Funda.

Depois de bater nos seguranças, o grupo se dispersou e tentou fugir, mas os ambulantes foram encontrados em outras estações da CPTM e levados para a delegacia, onde foi aberto um inquérito para apurar o caso.

Por meio de nota, a CPTM afirmou que a equipe de segurança apreendeu mercadorias de um ambulante que comercializava produtos ilegalmente. Ele retornou ao local por volta de 12h10 com um grupo de outros ambulantes e agrediram vigilantes da estação.

Passageiros da CPTM auxiliaram as vítimas. Os homens fugiram e se dispersaram, mas foram posteriormente localizados em outras estações da CPTM. Todos foram encaminhados à Delpom.

Segundo a CPTM, O comércio ambulante não É permitido nos trens e estações. "A atuação da Companhia está respaldada no Decreto Federal 1832, de 04/03/1996, que regulamenta o transporte ferroviário. A prática é combatida, principalmente, pelo fato dos produtos comercializados não terem procedência conhecida e, por isso, podem estar associados a crimes como contrabando, roubo de cargas, furtos e roubos, por exemplo", afirmou a Companhia.

Últimas