São Paulo Polícia usa imagens para indiciar motorista de app por estupro em SP

Polícia usa imagens para indiciar motorista de app por estupro em SP

Segundo delegado do caso, monitoramento aponta que a vítima — que estava embrigada — foi abusada durante trajeto após sair de casa noturna

  • São Paulo | Da Agência Record, com informações da Agência Estado

Estudante solicitou o serviço de transporte em Pinheiros, na zona oeste de SP

Estudante solicitou o serviço de transporte em Pinheiros, na zona oeste de SP

Reprodução Google Street View

O motorista suspeito de abusar sexualmente de uma estudante de 20 anos durante uma corrida com o aplicativo 99 Táxi, realizada na madrugada da segunda-feira passada (24), foi indiciado por estupro de vulnerável. Após ser ouvido pelas autoridades policiais, o suspeito foi liberado e aguardará o andamento do inquérito em liberdade.

Leia também: Jovem de 19 anos é estuprada por motorista de aplicativo em SP

A vítima relatou que estava em uma festa com amigos em uma casa noturna na Praça John Graz, 784, em Pinheiros, na zona oeste paulistana. Às 4h08, ela solicitou a corrida até a sua casa, localizada no centro da capital. A moça disse aos policiais que havia ingerido bastante quantidade de bebidas alcoólicas naquele dia.

Ainda segundo a jovem, o percurso deveria demorar cerca de 20 minutos. No entanto, a corrida durou 5h40. Durante o trajeto, ela afirmou ter tido teve lapsos de memória. De acordo com o boletim de ocorrência, em um desses, ela teria visto o motorista ao seu lado, no banco traseiro do veículo, com as calças abaixadas.

A jovem acordou por volta das 14h do mesmo dia, mas não se lembrava como havia chegado em casa — a estudante mora com duas amigas. Ela consultou o aplicativo no celular e viu que havia feito uma corrida em um Honda City preto. Segundo a moça, o valor cobrado foi de R$ 109,07. Como o aplicativo disponibilizava a foto do homem, ela logo o reconheceu.

Leia também: Motorista de aplicativo é preso acusado de estuprar passageira

O motorista nega a versão da passageira, mas o delegado Roberto Monteiro de Andrade Junior, titular da 1ª Delegacia Seccional da Capital, responsável pelas investigações, revelou que imagens de monitoramento corroboram o depoimento da vítima.

"As imagens de segurança desmontam a versão do motorista. Elas mostram e que ele parou o carro, saiu e foi para o banco de trás. Ao invés de ajudar a passageira, levando-a para um hospital ou para a casa dela, ele decidiu cometer o abuso", completou o delegado.

A vítima também sentiu grande incômodo na região genital. A estudante passou por exames no Hospital Pérola Byington, especializado em saúde feminina. Ela terá que tomar um coquetel de remédios pra evitar doenças sexualmente transmissíveis. O caso foi registrado como estupro de vulnerável na 1ª DDM (Delegacia de Defesa da Mulher).

A EMPRESA

Em nota, a 99 afirmou que baniu o motorista da plataforma e mobilizou uma equipe "que manteve contato com a passageira para oferecer todo o acolhimento e suporte necessários".

A empresa está disponível para colaborar com as investigações da polícia.

"A plataforma lamenta profundamente o caso e reitera que repudia veemente esse tipo de violência. Temos uma política de tolerância zero em relação a isso. Por isso, dedicamos nossos esforços na prevenção, proteção e acolhimento de todos os usuários da plataforma, principalmente para as mulheres."

Ainda de acordo com o aplicativo, "passageiras e motoristas que tenham sofrido esse tipo de violência devem reportar imediatamente para a empresa, por meio de seu app, ou no telefone 0800-888-8999.

Últimas