Policiais civis exigem tratamento igual à PM em testes da covid-19

Associação afirma que categoria exerce suas funções normalmente durante a pandemia e refuta exclusão da 1ª fase do plano anunciado pelo Estado

Por exposição ao vírus, policiais civis de SP cobram realização de testes da covid-19

Por exposição ao vírus, policiais civis de SP cobram realização de testes da covid-19

Divulgação/Adpesp

A Adpesp (Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo) criticou, nesta segunda-feira (11), a decisão do governo do Estado de priorizar a Polícia Militar no cronograma de testes da covid-19 ao qual deverão ser submetidos os agentes públicos de segurança pública de São Paulo.

Leia também: Fluxo em delegacias na pandemia gera divergência entre as polícias

O presidente da entidade, Gustavo Mesquita Galvão Bueno, exigiu tratamento igualitário aos policiais civis, incluídos em uma segunda etapa do programa, conforme anunciou o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, coordenador da ação.

"O sentimento que fica entre os policiais civis é, mais uma vez, de injustiça e esquecimento. Se os policiais civis estão exercendo as suas funções normalmente e se sujeitando ainda mais aos riscos do contágio, somados aos riscos já inerentes da profissão, não há motivo lógico ou racional para essa distinção entre categorias", enfatizou.

O delegado acrescentou que a isonomia no tratamento entre as categorias seria também um ato de pragmatismo, pois, preservaria a saúde de todos os responsáveis pela segurança da população.

"E esses também são os policiais civis. Aliás, [que atuam] em uma atividade de extrema relevância, que é a investigação criminal, e no atendimento ao público nas delegacias, que estão abertas", completou o presidente da Adpesp, Gustavo Mesquita Galvão Bueno.

Número de policiais mortos por covid-19

A entidade enviou um SIC (Serviço de Informação ao Cidadão) à SSP-SP (Secretaria de Estado da Segurança Pública de São Paulo) para obter a informação sobre a quantidade de policiais civis contaminados pela doença.

A contagem oficial mais recente revelava que havia 0,7% de agentes públicos acometidos pelo novo coronavírus - entre os policiais militares, a porcentagem representa cerca de 640 pessoas.

Delegacias adotaram medidas para evitar aglomerações

Delegacias adotaram medidas para evitar aglomerações

Divulgação/Adpesp

A Adpesp questionou a pasta sobre os integrantes da Polícia Civil afastados por suspeita da doença, os casos confirmados e o número de mortes.

Outro ponto levantado pela entidade de classe diz respeito ao pagamento do seguro de vida, em virtude da hipótese de o policial ter adquirido a doença em serviço.

Outro lado

O R7 procurou a assessoria de imprensa da SSP-SP para saber a posição da pasta sobre os questionamentos da Adpesp, mas não houve resposta até a publicação desta matéria.