Por coronavírus, prefeitura de SP determina fechamento de lojas 

Estarão isentos do decreto estabelecimentos como farmácias, supermercados, feiras livres, restaurantes, lanchonetes e postos de combustível

Capital paulista já registrou três mortes causada pelo Covid-19

Capital paulista já registrou três mortes causada pelo Covid-19

ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

O prefeito Bruno Covas assinou decreto nesta quarta-feira (18) que determina o fechamento das lojas em São Paulo até o dia 5 de abril deste ano. De acordo com a medida, fica autorizada apenas a manutenção dos serviços administrativos e a realização de vendas por meio de aplicativos, internet ou instrumentos similares.

Leia mais: São Paulo registra mais duas mortes por coronavírus

Não sofrerão restrições estabelecimentos essenciais como farmácias, hipermercados, supermercados, mercados e feiras livres; lojas de conveniência, de venda de alimentação para animais, padarias, restaurantes, lanchonetes e postos de combustível.

Nestes que continuarão abertos, será exigido a intesificação de ações de limpeza, disponibilização de álcool em gel aos clientes e divulgação de informações sobre prevenção da Covid-19.  Também será necessário para o funcionamento destes estabelecimentos manter espaço mínimo de 1 metro entre mesas (para restaurantes e lanchonetes).

As subprefeituras também terão de suspender os Termos de Permissão de Uso de profissionais autônomos localizados em áreas de concentração de ambulantes. A Guarda Civil Metropolitana terá atuação intensificada para retirar todo comerciante ambulante ilegal.