'Precisamos antes de tudo salvar vidas', diz Germann sobre gastos

Secretário foi questionado sobre inquérito que apura compra de três mil respiradores por R$ 550 milhões provenientes da China para tratar covid-19

José Henrique Germann, secretário estadual de São Paulo

José Henrique Germann, secretário estadual de São Paulo

Divulgação -30.04.2020

O secretário de Saúde do estado de São Paulo José Henrique Germann afirmou que “precisamos antes de tudo salvar vidas” ao ser questionado nesta segunda-feira (4) sobre o inquérito aberto pelo MP-SP (Ministério Público de São Paulo) sobre a compra de três mil respiradores por R$ 550 milhões pelo governo paulista.

Saiba como se proteger e tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus

“O que precisamos e ainda vamos precisar é agilidade para a colocação de um respirador em um determinado leito. Essa agilidade custa e o mercado responde a esta agilidade com aumento de preço”, disse o secretário. “Precisamos antes de tudo salvar vidas, depois a gente responde todas as questões relacionadas a isso e justifica porque tivemos que tomar essas atitudes“. Os aparelhos foram comprados na China e vão ser distribuídos nos hospitais públicos de São Paulo.

Leia também: Governo de SP torna obrigatório o uso de máscaras contra coronavírus

Neste sábado, o senador Major Olímpio, líder do PSL no Senado, afirmou ao R7 que pediu ao TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo) e ao Ministério Público de Contas do Estado de São Paulo que investiguem a aquisição. 

Em Santa Catarina, o secretário de Saúde, Helton de Souza Zeferino, pediu a exoneração do cargo no dia 30 de abril em meio a uma investigação que indica a compra irregular de 200 respiradores, que custaram R$ 33 milhões aos cofres públicos. No Rio de Janeiro, também está sendo apurada pelo MP a compra de respiradores pelo governo do estado.