Tragédia no centro de São Paulo
São Paulo Prédio que pegou fogo e ruiu em São Paulo foi prisão de Nobel da Paz

Prédio que pegou fogo e ruiu em São Paulo foi prisão de Nobel da Paz

Argentino Adolfo Pérez Esquivel foi detido em 1981 após criticar Lei da Anistia. No local também esteve preso o mafioso italiano Tommaso Buscetta

Esquivel, Nobel da Paz, esteve preso em prédio que pegou fogo

Esquivel, Nobel da Paz, esteve preso em prédio que pegou fogo

REUTERS/Remo Casilli

A antiga sede da Polícia Federal que desabou após um incêndio na madrugada desta terça-feira (1) no centro de São Paulo, foi palco de eventos célebres nos anos 1980. O prédio central alojou o INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social), mas está ocioso desde 2009. Já a PF mudou para seu atual endereço, na Lapa, em 2003.

O argentino Adolfo Pérez Esquivel, vencedor do Prêmio Nobel da Paz, foi preso em 1981 após criticar a Lei da Anistia e encaminhado ao prédio da Antonio de Godoy.

O então governador Paulo Maluf e Dom Paulo Evaristo Arns, cardeal arcebispo de São Paulo, precisaram intervir para que ele fosse solto. Dois anos depois, o mafioso italiano Tommaso Buscetta foi preso pelo delegado Romeu Tuma e também foi encaminhado à sede.

Levado para os Estados Unidos, Buscetta fez delação premiada e entregou as organizações mais poderosas do crime em seu País. Já em 1985, quando a ossada do carrasco nazista Josef Mengele foi encontrada por Tuma em um cemitério no Embu, nos arredores de São Paulo, o prédio da Antonio Godoy voltou ao noticiário internacional.

A torre foi colocada à venda pela União em 2015, em edital preparado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. O preço mínimo de venda na época foi de R$ 21,5 milhões e o então ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, disse que a venda fazia parte de ação do governo para reduzir despesas e racionalizar gastos no âmbito da SPU (Secretaria do Patrimônio da União).