Prefeito de SP anuncia rodízio de veículos de 24 h em dias alternados

Medida mais dura tem objetivo de aumentar isolamento social, uma vez que mais de 80% dos leitos de UTI na capital estão ocupados

A partir de segunda, SP terá rodízio de veículos de 24 h em dias alternados

A partir de segunda, SP terá rodízio de veículos de 24 h em dias alternados

Reprodução / Prefeitura de SP

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), anunciou nesta quinta-feira (7) o retorno do rodízio de veículos na cidade, mas agora de forma mais radical numa tentativa de aumentar o isolamento social na cidade. A previsão é de que haja uma redução do fluxo de veículos em 50%.

"O rodízio será ainda mais restritivo porque questões extremas exigem medidas extremas. Não dá pra gente não adotá-lo quando a ocupação dos leitos de UTI passam de 80%", afirmou Covas.

A medida começa a valer nesta segunda-feira (11) por 24 horas, inclusive aos finais de semana, e não mais apenas nos horários de pico. A restrição será para qualquer via da capital paulista e não só no Centro Expandido. 

Leia mais: Apesar do fim do bloqueio no trânsito em SP, blitze são mantidas

Podem circular em dias ímpares, veículos com placa final ímpar, e dias pares para dígitos pares, incluindo o final 0. A partir de segunda volta a valer também a Zona Máxima de Restrição para Circulação de caminhões, excluídos apenas os da área de abastecimento e saúde.

A restrição não vale para os veículos que já tinham isenção de rodízio, como motocicletas, polícia, exército, gás, água e ambulâncias, e agora será ampliada para os profissionais de saúde. Para isso, será necessário fazer um cadastro pelo e-mail: isencao.covid19@prefeitura.sp.gov.br. O prazo é de 10 dias e as multas serão canceladas no período. Depois só será possível entrar com recurso em uma junta específica que será criada pela secretaria.

Veja tambémNovos leitos de UTI para covid-19 são instalados no HC de SP

De acordo com o secretário de Mobilidade e Transportes, Edson Caram, todos os prestadores de serviço de saúde receberão um e-mail para realizar o cadastro de cada um de seus profissionais.

Táxis são isentos do rodízio. Já os carros de aplicativos terão de respeitar a regra e só circular nos dias permitidos, de acordo com a placa. 

"Os bloqueios não surtiram efeito porque não diminuíram a circulação de pessoas. Se apenas os trabalhadores dos serviços essenciais estivessem nas ruas, não haveria congestionamento. Quem trava o trânsito é aquele que não entendeu o recado para ficar em casa", justificou o prefeito.

Leia ainda: Uso de máscara é obrigatório em SP a partir desta quinta-feira (7)

O motorista que desrespeitar a regra, de acordo com a proposta, vai levar multa. O limite seria de uma por dia, mesmo que o veículo seja flagrado por várias vezes circulando durante a restrição.

Outros impactos

O prefeito anunciou que foi analisado o impacto do retorno do rodízio no transporte público, por isso, a partir de segunda, serão colocados em circulação mais mil ônibus e outros 600 ficarão em bolsões próximos aos terminais para atender a população em caso de necessidade com o aumento da demanda.

"Além de restringir a circulação durante a quarentena, a gente tem um ganho ambiental e um ganho de saúde. Há uma melhora na qualidade do ar nesse período de aumento das doenças respiratórias. Com as medidas adotadas, evitamos 30 mil mortes", explicou Covas. 

Veja mais: Subprefeitura terá de fiscalizar uso de máscaras e comércios abertos

Segundo dados da prefeitura, na cidade são 93.312 casos suspeitos de covid-19 e 23.807 já confirmados. Somando os 1.928 óbitos confirmados com os 2.372 em investigação, são 4.300 mortes pela doença. 

O secretário municipal de saúde, Edson Aparecido, destacou que a disseminação do novo coronavírus está em alta e todos os distritos registram mortes pela covid-19. A situação mais crítica é em Sapopemba, na zona leste, e Brasilândia, na zona norte, onde os óbitos passam de cem.

A ocupação dos leitos nos hospitais Bela Vista, Itaquera e Vila Maria é de 95%, seguido por Pirituba (91%), Mooca (84%), Jabaquara e Parelheiros (83%) e  
Tatuapé 77%.

Leia ainda: Covid-19: São Paulo terá Dia D para higienização de ruas no sábado

Caberá à Secretaria de Mobilidade e Transportes a avaliação da medida para saber se o impacto esperado foi alcançado. A atual taxa de isolamento em São Paulo é de 48%, mas o ideal seria 70% para barrar a rápida propagação do vírus.

Na noite desta quarta-feira (6), a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) registrou cerca de 50 quilômetros de congestionamento por volta das 19h e algumas vias da cidade tiveram fluxo intenso. 

Máscaras

A fiscalização sobre o uso de máscaras, que passou a ser obrigatório nesta quinta-feira em todo o estado de São Paulo, será realizada por dois mil servidores das subprefeituras em estabelecimentos comerciais. A autuação é de R$ 9,3 mil. De acordo com o prefeito, o poder municipal não tem autorização legislativa para fiscalizar a população.

Moradores de rua

De acordo com a prefeitura, 22 moradores de rua morreram de covid-19. Entre as medidas tomadas para proteger esta população, Covas apontou a ampliação do número de abrigos, o maior espaçamento entre as camas, a criação de unidades exclusivas para moradores com suspeita da doença e também para aqueles com mais de 60 anos.

Foi autorizado fazer convênios com hotéis, principalmente no centro, para que recebam pessoas em situação de rua. A previsão é que a cidade tenha uma noite com temperatura abaixo de 13ºC já nesta quinta, quando deve entrar em operação uma ação conjunta realizada anualmente pela Guarda Civil Municipal e por equipes da Assistência Social e da Saúde.