Prefeitura de Rio Preto (SP) proíbe venda de bebidas alcoólicas

Decreto impede que estabelecimentos comercializem bebida entre às 20h e 6h da manhã de 2ª a 6ª, além de todo o fim de semana, até o dia 30

Prefeitura de Rio Preto (SP) proíbe venda de bebidas alcoólicas

Prefeitura de Rio Preto (SP) proíbe venda de bebidas alcoólicas

Pixabay

O prefeito de São José do Rio Preto, Edinho Araújo, publicou um decreto que restringe o funcionamento de supermercados aos sábados e domingos e proíbe a venda de bebidas alcoólicas em todos os estabelecimentos comerciais do município no interior de São Paulo entre 20h e 6h da manhã de 2ª a 6ª feira e durante todo o final de semana até o dia 30.

Leia mais: Próxima de 10 mil casos, Ribeirão Preto usa robôs para testes de covid

Apenas o serviço de delivery de mercados pode funcionar. O drive-thru também está proibido. No caso das bebidas, nem a entrega a domicílio é permitida.

A medida, segundo a prefeitura, foi tomada pela Secretaria de Saúde em consonância com o Comitê Gestor de Combate ao Coronavírus. Segundo o decreto 18.636, publicado na quinta-feira (16), a ação foi tomada "considerando o agravamento da situação epidemiológica no município e o índice de ocupação dos leitos de UTI, e ainda a ocorrência de aglomeração na cidade, elevando a taxa de contágio de covid-19".

Veja também: Covid-19 já matou 19.647 pessoas em São Paulo desde início da crise

O prefeito enfatizou que o objetivo é salvar vidas e evitar o colapso no sistema de saúde: “As medidas são temporárias e esperamos que inibam as aglomerações, pois elas claramente estão contribuindo para que a doença se espalhe”.

De acordo com a prefeitura, as aglomerações acontecem em vários pontos da cidade, como em áreas externas de lojas de conveniência e locais de lazer.

“Registramos um aumento de novos contaminados e pessoas internadas por covid-19. A situação dos hospitais que atendem a cidade já está preocupante. No HB (Hospital de Base) temos 36 pacientes internados que são de Rio Preto, os outros são todos pacientes que vêm de cidades da região”, informou o secretário de Saúde, Aldenis Borim.

Leia ainda: Estudo aponta que 15% das lojas de São Paulo testam funcionários

O secretário destacou ainda que a população não tem colaborado: “Gostaríamos muito de manter o funcionamento dos serviços, porém não temos a adesão necessária. Ainda vemos muitas pessoas nas ruas sem máscaras, estabelecimentos funcionando em horários proibidos e muitas festas clandestinas e em família”.

A Secretaria de Saúde também ampliou o horário de atendimento nas unidades Estoril e Solo Sagrado, que são referência para casos de síndromes respiratórias, de segunda a sexta-feira, das 7h às 22h.