grevecaminhoes
São Paulo Prefeitura de SP diz que tem combustível somente até terça-feira

Prefeitura de SP diz que tem combustível somente até terça-feira

Covas faz apelo ao movimento dos grevistas para encerrar paralisação e diz que prejuízo da cidade chega a R$ 100 milhões após oito dias de protestos

Bruno Covas se reúne com secretários para debater alternativas de abastecimento em SP

Bruno Covas se reúne com secretários para debater alternativas de abastecimento em SP

ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO (27/05)

Após oito dias de paralisação dos caminhoneiros em todos os estados do país, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, afirmou que a situação da cidade segue controlada, apesar de grave. "É uma situação difícil. Tínhamos conseguido 500 mil litros de combustível na distribuidora no Ipiranga e mais um milhão da distribuidora em Barueri, mas o município precisa de 1,3 milhão de óleo diesel para o transporte rodar por dia", afirmou.

Presidente Michel Temer promete cinco medidas para encerrar a greve dos caminhoneiros

O Comitê de Gerenciamento de Crise criado pela prefeitura de São Paulo se reuniu na manhã desta segunda-feira (28) para debater alternativas para o abastecimento de combustível para os serviços essenciais da cidade até a terça-feira (29). "Não temos nenhum estoque para operar na quarta-feira. Queremos manter o mínimo necessário para quarta-feira. Nossa preocupação no instante é resolver os problemas do dia."

O prefeito disse ainda que não será necessário a adoção de medidas extremas como a decretação de feriado ou ponto facultativo. Isso porque, segundo Covas, a medida teria impacto na arrecadação, na Bolsa de Valores e na atividade econômica. "O diesel está garantido para circular amanhã nos mesmos níveis de hoje e estamos garantindo níveis de combustível para quarta feira", disse o tucano.

Em relação ao funcionamento do serviço funerário, o prefeito afirmou que a há autonomia para funcionar também por 24 horas. "A cada dia vamos ganhando mais 24 horas", afirmou em coletiva de imprensa.

O prefeito disse também que espera contar com a colaboração dos movimentos que participam da greve uma vez que, segundo ele, todos os cidadãos da cidade foram afetados pela paralisação. 

Na educação, o prefeito afirmou que há insumos suficientes para garantir a merenda escolar até terça-feira (29). Covas disse também que este é um dos pontos de atenção da prefeitura. "Se a situação piorar, vamos priorizar o ensino infantil em detrimento do ensino fundamental."

Em relação ao protesto de vans escolares, que ocorreu na manhã desta segunda-feira, Bruno Covas afirmou que a manifestação é "muito mais do setor privado do que do transporte público." Segundo ele, os 70 mil estudantes que dependem do transporte público na cidade não foram impactados.

O tucano disse também que a prefeitura busca ampliar o abastecimento de combustível da prefeitura de três para 16 postos para atender os extremos da cidade. "Queremos dar capilaridade à rede", disse ele. O abastecimento, segundo o prefeito, é feito com o apoio da Polícia Militar e da Guarda Civil Metropolitana (GCM).