São Paulo Presidente de movimento de população de rua desaparece em SP

Presidente de movimento de população de rua desaparece em SP

Amigos dizem que mensagens enviadas para Robson Mendonça, de 70 anos, são visualizadas, mas não são respondidas

  • São Paulo | Do R7

Robson Mendonça está desaparecido

Robson Mendonça está desaparecido

Reprodução/Redes sociais

O presidente do Movimento Estadual da População em Situação de Rua de São Paulo (MEPSR-SP) está desaparecido desde o final da tarde da última quarta-feira (10). Segundo testemunhas, Robson César Correia Mendonça, de 70 anos, foi visto pela última vez no bairro da Liberdade, na região central de São Paulo.

De acordo com Renata, integrante do MEPSR-SP e amiga de Robson, o homem havia reclamado de dores no corpo durante todo o dia e, por esse motivo, foi até uma unidade da AMA (Assistência Médica Ambulatorial) na região da Sé, acompanhado de Romualdo Carneiro, taxista e amigo dele. Renata informou que Robson possui um tumor na cabeça.

Na unidade, ele foi encaminhado para a realização do teste de covid-19, mas se recusou a realizar o exame, alegando já ter sido testado recentemente e estar com pressa, e foi embora da AMA.

Ainda de acordo com Renata, após deixarem o local, Romualdo levou Robson até a região da Liberdade, para que ele fosse à agência bancária da Caixa Econômica realizar um saque no valor de R$ 1.400. Renata relatou que havia se oferecido para acompanhar Robson, devido ao seu estado de saúde, mas que o homem não permitiu que ninguém fosse junto com ele. 

A mulher afirmou ainda que as câmeras da agência bancária filmaram Robson entrando e saindo sozinho do local.

Após algumas horas sem notícias de Robson, os amigos tentaram entrar em contato através do WhatsApp diversas vezes, mas ele não respondia. Pouco tempo depois, ele enviou uma mensagem estranha para Romualdo, que desconfiou da situação e resolveu procurar a delegacia e registrar um boletim de ocorrência.

De acordo com Renata, ela e outros amigos de Robson rastrearam o celular dele para tentar localizá-lo e descobriram que ele havia estado na região da Luz, próximo a área da Cracolândia, e depois se deslocou para a região da Praça da Sé, a cerca de três quilômetros de distância, mas, por volta das 18h, o celular foi desconectado, o que impede que eles saibam para onde ele foi depois.

Renata afirma que desde então tentou entrar em contato com o celular de Robson diversas vezes, através do WhatsApp, mas as mensagens são visualizadas e não são respondidas. Ela relata que tentou ligar para o número, mas o aparelho foi desligado.

Últimas