Novo Coronavírus

São Paulo Presídios de SP registram 13 mortes de agentes por covid-19 em março

Presídios de SP registram 13 mortes de agentes por covid-19 em março

Segundo sindicato da categoria, chega a 57 o total de óbitos entre servidores penitenciários desde o início da pandemia

  • São Paulo | Letícia Dauer, da Agência Record

Casos de covid-19 em presídios paulistas vitimam agentes penitenciários

Casos de covid-19 em presídios paulistas vitimam agentes penitenciários

Divulgação/SAP

Um levantamento do Sifuspesp (Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo, realizado a partir da apuração de informações junto à categoria, revelou que, entre 1º e 18 de março, 13 policiais penais morreram de coronavírus no sistema prisional do estado de São Paulo.

É o maior número de vítimas fatais do contágio em menos de um mês desde o início da pandemia, que ceifou a vida de 57 servidores penitenciários até o momento.

De julho passado até este 17 de março, 2.993 servidores penitenciários foram confirmados com coronavírus em São Paulo, apontam dados do boletim da SAP (Secretaria de Administração Penitenciária).  Na população carcerária, 12.743 detentos se infectaram, com 39 óbitos.

Para a direção do Sifuspesp, o crescimento dos contágios e das mortes dentro do sistema coincidiu com o retorno das visitas presenciais nas unidades prisionais, em 7 de novembro passado.

Desde então, várias cidades paulistas foram regredindo de fase no Plano SP de enfrentamento à covid-19, mas a SAP voltou a suspender as visitas somente depois que o Tribunal de Justiça de São Paulo deferiu um pedido de liminar do Sindasp, no último dia 27 de fevereiro.

De dezembro até este 18 de março, 25 servidores penitenciários faleceram, e as mortes saltaram 225% no período, segundo a apuração do sindicato, e os casos confirmados cresceram 49,87%, de 1.997 para os atuais 2.993 trabalhadores infectados.

"Os servidores penitenciários estão na linha de frente da Covid, estão convocados a trabalhar mesmo nestas condições e com descaso da SAP do governo estadual. Por isso, a categoria tem que ter prioridade na vacinação nesta primeira etapa do plano de imunização da Covid. É o que o SIFUSPESP e a Fenasppen vêm defendendo e reivindicando junto ao Ministério da Saúde, inclusive com apoio de parlamentares de diferentes orientações políticas", afirmou Fábio César Ferreira, presidente do sindicato.

Segundo denúncia recebida pelo Sifuspesp, na quinta-feira (18), houve um surto de contágio no CDP (Centro de Detenção Provisória) de Caiuá, onde 18 servidores confirmados estão afastados, um deles internado em estado grave.

Na Penitenciária de Araraquara, o sindicato foi informado de que há quatro servidores confirmados, um aguardando resultado de exame e cerca de 200 presos confirmados, conforme denúncia desta sexta-feira (19). 

O sindicato também continua recebendo denúncias de que a SAP prossegue com a transferência de presos na pandemia, e de que não fornece máscara adequada à proteção dos policiais penais que estão fazendo escolta de presos a hospitais.

Outro lado

A SAP nega as informações. Em  nota, o órgão afirma que em março houve 12 mortes de servidores, dez agentes e dois da área administrativa. O número de mortes de servidores desde o início da pandemia é de 57 e o de casos confirmados, 3.133. "Os servidores da SAP, diferentemente dos presos, possuem livre circulação e contato externo com outras pessoas. Sendo assim, não é possível afirmar que o contágio ocorreu dentro das unidades prisionais", afirma a secretaria. A SAP diz ainda que adota os protocolos de higiene e distanciamento recomendados pelas autoridades.

Confira a íntegra da nota:

As informações prestadas pelo sindicato não são verdadeiras. A Secretaria da Administração Penitenciária informa que, no mês de março, 12 servidores faleceram por conta da Covid-19, sendo 10 agentes e 2 da área administrativa.

Ao todo, 3.133 servidores testaram positivo para o coronavírus desde o início da pandemia. Desses, 57 faleceram. Os cuidados adotados nos presídios em todo o estado desde o início da pandemia têm sido efetivos: a taxa de recuperados entre os servidores está em 92,63%, o que corresponde a 2.955 recuperados, e o índice de letalidade, de 1,82%, está abaixo ao da população em geral. 

Os servidores da SAP, diferentemente dos presos, possuem livre circulação e contato externo com outras pessoas. Sendo assim, não é possível afirmar que o contágio ocorreu dentro das unidades prisionais. 

Em todo o estado, a SAP tem realizado busca ativa para casos similares a Covid-19 em toda a população prisional, seguindo as determinações do Centro de Contingência do Coronavírus para avaliar permanentemente o direcionamento de ações para o enfrentamento do problema. 

Foram aplicadas medidas de higiene e distanciamento preconizados pelos órgãos de saúde, assim como a suspensão de atividades coletivas, intensificação da limpeza das áreas, restrição  da entrada de qualquer pessoa alheia ao corpo funcional, adoção de quarentena para os presos que entram no sistema prisional, monitoramento do grupo de risco, ampliação na distribuição de produtos de higiene, álcool em gel e sabonete e distribuição de Equipamentos de Proteção Individual.

Últimas