Coronavírus

São Paulo Primeira das 19 miniusinas de oxigênio passa a funcionar em SP

Primeira das 19 miniusinas de oxigênio passa a funcionar em SP

Objetivo é evitar desabastecimento para pacientes com covid-19. Unidade fica no Hospital Municipal Capela do Socorro, zona sul 

Unicamp forneceu cilindros ao governo de SP

Unicamp forneceu cilindros ao governo de SP

Divulgação/Unicamp

A cidade de São Paulo inaugura nesta quarta-feira (31) a primeira das 19 miniusinas geradoras de oxigênio para unidades de saúde. A medida foi adotada após a falta do insumo e risco de desabastecimento devido ao aumento do número de casos e internações por covid-19.

A unidade será instalada no Hospital Municipal Capela do Socorro, na zona sul da capital. Segundo a prefeitura, juntas as 19 usinas terão capacidade para produzir 9 mil metros cúbicos de oxigênio por dia, o equivalente a 900 cilindros.

O investimento é de mais de R$ 9,4 milhões em equipamentos, sendo outros R$ 104,5 mil apenas para instalação das miniusinas.

"Depois de três anos, a cidade vai ter o retorno do capital investido e isso vai gerar uma redução do custeio de R$ 250 mil mensais, sem falar que é uma obra permanente para garantir o abastecimento das unidades de saúde", afirmou o prefeito Bruno Covas.

O volume de oxigênio gerado pelas miniusinas é suficiente para abastecer 596 leitos de enfermaria e 211 de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) nos hospitais municipais, hospitais dia e UPAs (Unidades de Pronto Atendimento).

Prazos

Sete miniusinas deverão ser entregues até o dia 15 de abril. Elas vão atender o Hospital Municipal Capela do Socorro (2 usinas), Hospital Municipal Sorocabana, UPA Jabaquara, Hospital Dia Tito Lopes, Hospital Dia Flávio Gianotti e Hospital Dia M'Boi Mirim II.

Outras 12 unidades serão instaladas até 30 de abril nos Hospitais Dia: Itaim Paulista, São Matheus (Tietê II), São Miguel, Brasilândia, Butantã, Lapa, Mooca, Penha, Vila Prudente, Campo Limpo, Cidade Ademar e M'Boi Mirim I.

A cidade também recebeu a doação da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) de 400 cilindros de oxigênio medicinal.

Últimas