Novo Coronavírus

São Paulo Procon de SP notifica fornecedores por aumento de preços de alimentos

Procon de SP notifica fornecedores por aumento de preços de alimentos

Empresas têm 24 horas para esclarecer aumentos de até 75% em produtos que compõem a cesta básica como, arroz, feijão e leite

Itens da cesta básica estão mais caros em meio à pandemia de coronavírus

Itens da cesta básica estão mais caros em meio à pandemia de coronavírus

Paulo Whitaker/Reuters - 11.1.2018

O Procon de São Paulo notificou 16 fornecedores de produtos da cesta básica a explicar o aumento dos preços em meio à pandemia de coronavírus. A iniciativa foi tomada após a entidade receber informações da APAS (Associação Paulista de Supermercados). Segundo a APAS, foram identificadas altas de até 75,5% para o feijão, 73,5% para o arroz e 40% para o leite.

Leia mais: São Paulo cria drive thru solidário para doações de cestas básicas

As empresas Irano, Kicaldo, Maximo, Cerealista Zorzo, Quatiguá, Caldo Nobre, Shefa, Barbosa, Piracanjuba, Triângulo, Jussara, Danone, Tirol, Cativa, Carunchão e Aurora deverão enviar notas fiscais das vendas realizadas às redes de supermercados Carrefour, Pão de Açúcar, Extra, Sonda, BIG e Macro, referentes aos meses de janeiro, fevereiro, março e abril desse ano para que o Procon faça a comparação dos preços.

Veja também: Preços do ovo de Páscoa variam até 350% nas lojas online, diz Procon

Os fornecedores estão sujeitos ao Código de Defesa do Consumidor que, no artigo 39, considera prática abusiva o aumento sem justa causa de preço. Caso sejam comprovados que os aumentos são injustificados, as empresas poderão ser multadas em até R$ 10 milhões. As empresas têm 24 horas para responder ao Procon.

Últimas