São Paulo Projeto que prevê criação do Parque do Bixiga avança na Câmara de SP

Projeto que prevê criação do Parque do Bixiga avança na Câmara de SP

Texto foi aprovado nesta quarta-feira (8) na comissão de Política Urbana e deve seguir por outros dois grupos: de Finanças e de Administração Pública

Parque do Bixiga

Comissão de Política Urbana aprova projeto que prevê criação do parque do Bixiga

Comissão de Política Urbana aprova projeto que prevê criação do parque do Bixiga

Reprodução Facebook

O projeto de lei que prevê a criação do Parque do Bixiga, na região central da capital paulista, foi aprovado nesta quarta-feira (8) pela Comissão Permanente de Política Urbana, Metropolitana e Meio Ambiente da Câmara Municipal de São Paulo.

De autoria do vereador Gilberto Natalini (PV), o projeto de lei 805/2017 tem coautoria de outros 11 parlamentares e prevê a criação do parque em uma área de quase 11 mil metros quadrados que percorre as ruas Jaceguai, Abolição, Japurá e Santo Amaro.

Leia mais: Bruno Covas decide desativar o Minhocão e fazer parque suspenso

O projeto teve início na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), ainda em 2017, quando foi apresentado à Casa. Dois anos se passaram, e nesta quarta foi aprovado pela Política Urbana. Agora, o projeto de lei deve passar, ainda, por duas comissões: de Finanças e de Administração Pública.

Importância

Segundo Natalini, o bairro do Bixiga possui hoje mais de 900 imóveis tombados, correspondendo a pelo menos 1/3 de todo o patrimônio cultural protegido da cidade.

De acordo com a justificativa do projeto de lei, a área guarda características singulares de um bairro histórico, construído a muitas vidas e culturas, “destacando-se como um território cultural plural, fértil pelas misturas entre povos, línguas, histórias, culturas, culinária e artes, que evidenciam a força histórica de um bairro formado por modos de existir que resistem aos processo de verticalização urbana de São Paulo, ao avanço da especulação imobiliária e à imposição de modos de viver dentro dos grandes centros urbanos massacrados pelo planejamento urbano hierárquico”.

Por isso, “o bairro precisa de mais espaços públicos em que seja fomentada a convivência entre as pessoas e natureza como fórmula infalível de criação cultural, e esse terreno é a oportunidade última para a criação desse espaço”. O parque do Bixiga seria um projeto “indissociado de um programa que abrigue as policulturas que se inter-relacionam num sentido sustentável de formação humana através do reflorestamento cultural”.

Veja também: Projeto do Parque Augusta tem deck, cachorródromo e até redário

Para os autores do projeto, concretizar o parque é uma questão de saúde pública. São 69.460 habitantes em 2,6 km, o que gera uma taxa de 26.715 habitantes por quilômetro quadrado, relativos ao censo de 2010. “A Subprefeitura da Sé possui hoje o indicador de área verde de 2,45 m²/hab, e esta região (do Bixiga) ocupa o pior número dentro desse perímetro”, argumentam.

Trajetória

O parque do Bixiga vem sendo discutido desde o ano de 2010, quando o proprietário do terreno passou a ceder o uso da área por contrato de comodato à Associação Teatro Oficina Uzyna Uzona, dirigido por Zé Celso, um dos maiores dramaturgos do país.

No entanto, a área foi vendida posteriormente e prevê construção de torres residências pela Sisan, empresa de empreendimentos imobiliários do grupo Silvio Santos.