São Paulo Protesto por morte de jovem pela polícia termina em confusão em SP

Protesto por morte de jovem pela polícia termina em confusão em SP

Dois ônibus foram incendiados e grupo foi dispersado com bombas de gás. Rogério Ferreira da Silva Júnior foi baleado no dia em que completava 19 anos

  • São Paulo | Do R7, com informações da Agência Record

O protesto pela morte de Rogério Ferreira da Silva Junior, de 19 anos, baleado pela polícia, terminou em confusão e dois ônibus incendiados. A manifestação, que começou pacífica na avenida Padre Arlindo Vieira, no Sacomã, zona sul de São Paulo, teve início às 19h20 desta segunda-feira (10) e só terminou por volta das 21h30. 

O ato foi marcado em homenagem ao jovem morto por policiais militares na avenida dos Pedrosos, na tarde de domingo (9), dia em que a vítima completava 19 anos.

Segundo o Corpo de Bombeiros, dois ônibus foram incendiados durante a manifestação. Um na avenida Padre Arlindo Vieira com a rua Giovanni Carnovali e o outro na rua Giacomo Cozzarelli. Ninguém ficou ferido.

De acordo com a Polícia Militar, manifestantes com tochas foram em direção a um dos ônibus que passava pela via. Imagens mostram o momento em que cerca de 10 pessoas começam a depredar o coletivo. Um dos manifestantes dispara o extintor, em seguida começa a jogar objetos pegando fogo, resultando no início do incêndio.

Leia mais: "Mataram um inocente", diz mãe de jovem morto em abordagem em SP

Dois ônibus foram incendiados no protesto

Dois ônibus foram incendiados no protesto

Reprodução / Record TV

Outro vídeo mostra um dos vândalos batendo com um tronco de árvore na janela do coletivo. As imagens registram o ônibus completamente em chamas.

A polícia usou bombas de efeito moral para dispersar o grupo. Segundo a PM, ninguém foi preso durante a manifestação.

Mas em outras gravações, manifestantes cantam "parabéns" ao jovem assassinado no dia do aniversário.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública informou que todas as circunstâncias são apuradas pelo DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa) e por meio de inquérito policial militar. Os policiais da Rocam envolvidos na ocorrência foram afastados do policiamento operacional. Testemunhas e familiares do jovem são ouvidos. A Corregedoria da PM também acompanha as investigações.

De acordo com a SPTrans, os coletivos incendiados faziam a linha 4742/10 Jd. Clímax - Metrô São Judas e Pq. Bristol - Term. Sacomã. Outros quatro coletivos foram depredados na região do Sacomã. Os veículos foram removidos durante a madrugada e a circulação das linhas ocorre normalmente na manhã desta terça-feira (11), segundo a empresa.

Rogério estava sem capacete em moto emprestada quando foi baleado

Rogério estava sem capacete em moto emprestada quando foi baleado

Reprodução / Record TV

O caso

Imagens de câmera de segurança mostram o momento em que Rogério foi baleado. No vídeo aparece o jovem, que estava em uma motocicleta, acompanhado pelas duas motocicletas da Polícia Militar. O rapaz diminuiu a velocidade e, quando parou, caiu, atingido pelo disparo.

De acordo com a versão policial, o jovem estava em uma motocicleta sem placa e sem capacate e teria fugido da abordagem policial. Quando parou o veículo e iria desembarcar, teria colocado a mão na cintura, e os PMs atiraram imaginando que ele pudesse estar armado.

Leia ainda: Ex-segurança 'herói' de boate Kiss tenta retomar a vida em São Paulo

Nas imagens, não é possível ver Rogério fazendo esse movimento com as mãos para a cintura. Nenhuma arma foi encontrada com a vítima. De acordo com a família, ele havia participado de um almoço preparado pela mãe, mas não teve tempo de cortar o bolo e cantar parabéns. Como de costume, ele foi passear de moto pelo bairro, mas, desta vez, se deparou com policiais da Rocam.

O corpo de Rogério foi enterrado no Cemitério São Luiz na tarde desta segunda-feira (10).

Últimas