Reforço policial marca 1º fim de semana após mortes em baile

Bloqueios foram montados nos principais acessos de Paraisópolis. Madrugada deste sábado (7) foi de ruas vazias e não houve o tradicional baile funk 

Não houve baile funk na madrugada e ruas de Paraisópolis ficaram vazias

Não houve baile funk na madrugada e ruas de Paraisópolis ficaram vazias

Reprodução Record TV

A madrugada deste sábado (7) foi marcada pela grande movimentação policial em Paraisópolis, na zona sul de São Paulo. Este é o primeiro fim de semana desde as nove mortes após uma confusão no baile da DZ7 com a chegada da Polícia Militar. O tradicional baile funk também não ocorreu e as ruas da comunidades ficaram vazias. As informações são da Record TV

Uma moradora afirmou que não houve pancadão por causa das mortes no último domingo (1º): "querendo ou não, não vai ter baile porque o povo fica com medo e acaba não vindo".

Leia mais: Heliópolis: três PMs são afastados após ação que resultou em morte

Nas ruas de Paraisópolis, mensagens pedindo paz foram escritas no chão. Diversos bloqueios policiais foram montados na região do Morumbi pela PM e GCM. Nas avenidas Giovanni Gronchi e Hebe Camargo, vias que cercam Paraisópolis, motoristas eram obrigados a descer do carro para averiguação.

A forte presença policial acontece depois das declarações do governador João Doria (PSDB) que prometeu mudar os protocolos em abordagens dentro de comunidades da região metropolitana de São Paulo.

Veja também: Mortes em Paraisópolis preocupam OEA, que cobra ações do Brasil

Doria garantiu que a intensa movimentação policial vai se estender durante o fim de semana e que novas medidas serão divulgadas a partir de segunda-feira (9). "Nós anunciaremos procedimentos complementares que não estão ligados à segurança, mas sim às atividades de lazer, cultura, formação e qualificação profissional e saúde pública para Paraisópolis e Heliópolis prioritariamente", afirmou o governador.