Reunião para discutir retomada econômica no ABC é adiada

Prefeitos da região anunciaram reabertura de atividades que não estão autorizadas pelo Plano São Paulo, que define a flexibilização no estado de SP

Santo André, no ABC

Santo André, no ABC

Reprodução/Prefeitura de Santo André

A reunião prevista para discutir a retomada econômica no Grande ABC, prevista par a manhã deste sábado (6) foi adiada para a semana que vem, ainda sem dia e horário definidos. O encontro vai discutir a reclassificação dentro do faseamento do Plano São Paulo, dos sete municípios da região metropolitana que integram o Consórcio Intermunicipal Grande ABC.

Leia também: SP: Entenda como a quarentena com flexibilização progressiva

Os municípios da região foram classificados na fase 1, de alerta máximo, em que são liberados apenas serviços essenciais. A reclassificação acontece a cada 14 dias. Na quarta-feira (10), o governo do estado vai anunciar o faseamento que vale a partir do dia 14. As regiões do estado definidas pelo estado podem avançar, regredir ou se manter na fase atual. 

Faseamento do Plano São Paulo

Faseamento do Plano São Paulo

Arte R7

Os gestores municipais devem, portanto, estabelecer critérios de liberação a partir do que é definido pelo governo do estado.

Veja também: Plano de flexibilização em SP precisa ser melhor explicado, diz secretária

Em São Paulo, apesar da liberação da fase 2 ter começado na segunda-feira (1), apenas na sexta os dois primeiros setores autorizados a reabrir voltaram a funcionar - concessionárias e escritórios. Os prefeitos do ABC, no entanto, assinaram na sexta-feira (5) uma resolução que flexibiliza a retomada e que já está em vigor.

Subdivisão da região metropolitana, onde está o Grande ABC

Subdivisão da região metropolitana, onde está o Grande ABC

Arte R7

A resolução autoriza a reabertura de escritórios, concessionárias de veículos e escritórios de prestação de serviços. O documento tem a chancela dos prefeitos dos municípios de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra.

Leia também: No hospital do Anhembi, médicos dividem camas e dormem no chão

O documento também ressalta que os signatários do acordo estão comprometidos  em cumprir os protocolos sanitários da Vigilância em Saúde das cidades, assim como os termos de compromisso entre os municípios e entidades setoriais envolvidos.