Rodoanel: Justiça de SP quebra o sigilo bancário de Aloysio Nunes 

Executivos da empreiteira delataram o tucano por supostamente pedir R$ 500 mil para sua campanha ao Senado, em 2010, valor que teria sido obtido via caixa dois

Executivosdelataram o tucano por pedir R$ 500 mil para sua campanha via caixa dois

Executivosdelataram o tucano por pedir R$ 500 mil para sua campanha via caixa dois

Danilo Verpa/Folhapress - 20.06.2018

O ex-ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes (PSDB) teve seu sigilo bancário quebrado pela Justiça de São Paulo em uma investigação na área cível que envolve a delação da Odebrecht. A decisão foi revelada pelo repórter Fábio Leite, da Revista Crusoé.

Veja também: Ex-judoca olímpico morre após desentendimento com amigo PM

Executivos da empreiteira delataram o tucano por supostamente pedir R$ 500 mil para sua campanha ao Senado, em 2010, valor que teria sido operacionalizado via caixa dois. Por ser na área civil, o inquérito mira supostos atos de improbidade administrativa e enriquecimento ilícito. O dinheiro seria oriundo, segundo os delatores, de contratos do Rodoanel Trecho Sul.

Segundo o promotor de Justiça Ricardo Manuel Castro, autor do pedido, 'há fundados indícios de que Aloysio Nunes tenha recebido, em razão de cargos públicos que ocupou e visando a interferir junto à Administração Pública estadual em favor de pessoas jurídicas de direito privado corruptoras, vantagens pecuniárias indevidas, todas intermediadas por seu amigo de longa data, Paulo Vieira de Souza'.

"As investigações apontam que, no ano de 2007, o agravante tenha sido beneficiado com a quantia de R$ 300.000,00, paga por meio da ex-esposa e uma das filhas de Paulo Vieira de Souza, para a quitação de um imóvel financiado de sua propriedade, quantia esta por ele justificada como empréstimo já quitado, fatos que necessitam ser melhores investigados até mesmo porque, ao momento em que transferida esta quantia, a filha de Paulo Vieira de Souza ocupava cargo comissionado junto ao Gabinete do Governador do Estado de São Paulo, com rendimentos brutos inferiores a cinco mil reais, o que, ao menos em tese, inviabilizaria a ela a disposição daquela cifra elevada", anota.

O promotor ainda lembra que a Operação Lava Jato descobriu a emissão de um cartão de crédito, em 2007, pelo Grupo Nantes - offshore atribuída ao ex-diretor da Dersa -, e enviado a um hotel em Barcelona, em suposto benefício de Aloysio Nunes, que estaria hospedado na cidade espanhola durante o natal daquele ano. Ele é taxativo ao dizer que a origem do dinheiro são os desvios de obras gerenciadas por Paulo Vieira na Dersa.

Apontado como suposto operador do PSDB, Vieira de Souza teria chegado a guardar mais de R$ 100 milhões no exterior - por isso, é réu por lavagem de dinheiro em ação da força-tarefa do Paraná.

A decisão foi autorizada, em primeira instância. A defesa de Aloysio Nunes se insurgiu contra a quebra de sigilo bancário, mas o Tribunal de Justiça de São Paulo rejeitou o agravo em setembro.