São Paulo Rota é o batalhão que mais matou em 2015

Rota é o batalhão que mais matou em 2015

De janeiro a fevereiro deste ano, 117 suspeitos foram mortos em confrontos com policiais

Rota é o batalhão que mais matou em 2015

Em 2015, 12 mortes tiveram a Rota como grupamento responsável

Em 2015, 12 mortes tiveram a Rota como grupamento responsável

Marcelo S. Camargo/Frame/Estadão Conteúdo/27.02.2015

A Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar), tropa de elite da polícia paulista, é o batalhão que mais matou suspeitos de cometerem crime em São Paulo neste ano, de acordo com dados da Ouvidoria da Polícia Militar.

De janeiro a fevereiro de 2015, 117 suspeitos foram mortos em confrontos com policiais militares ou civis em 27 cidades diferentes — o que representa quase duas mortes por dia no Estado. Dessas, 12 mortes tiveram a Rota como o grupamento responsável.

Para o ouvidor Julio Cesar Neves, a letalidade da Rota é preocupante.

— Ela é o departamento que exerce essa postura com notoriedade. Tem, vamos dizer assim, know-how.

PM bate recorde de mortes em SP e não reduz crimes

"Letalidade da PM de SP é inaceitável", diz cientista social

O aumento da letalidade policial nos últimos anos, segundo o ouvidor, também estaria relacionado à impunidade.

— Quando o policial vê que ninguém é punido, fica mais fácil apertar o gatilho. A impunidade não é só para a bandidagem, é dos dois lados. Na grande maioria dos casos o arquivamento é requerido pelo Ministério Público e a Justiça aceita. Não chegam sequer a serem denunciados.

Investigação

A Secretário Estadual da Segurança Pública de São Paulo anunciou que vai alterar o procedimento de investigação para casos que envolvam agentes de segurança pública.

Na prática, a medida tornará obrigatória a presença da Polícia Civil, da Polícia Militar e das corregedorias nas cenas de homicídios que envolvam agentes, sejam eles autores ou vítimas. Nesses casos, o Ministério Público também deve ser comunicado imediatamente, mas vai ficar a critério do órgão decidir se é necessário enviar um promotor de Justiça ao local.

A resolução deve valer para ocorrências que estejam relacionadas a policiais militares, policiais civis, policiais federais, agentes penitenciários, membros da Fundação Casa e guardas-civis.

    Access log